sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

Faça a Diferença





Por Araripe Gurgel


Fazer a diferença não é simplesmente ser conhecido como "evangélico": fazer a diferença é ter a postura de um cristão que anda com Deus e que reflete esse andar nos seus relacionamentos.


Como Igreja, temos a missão de fazer a diferença na vida das pessoas, de marcar a vida dos nossos familiares, dos nossos colegas de trabalho, enfim da nossa sociedade.


Para termos igrejas fortes, abençoadas, vencendo o poder do pecado e do inimigo é preciso ter crentes fortes, vigorosos, dispostos a pagar o preço pela santificação de suas vidas.


A santificação na vida do cristão não vem ao acaso. E também não é coletiva, pelo contrário, é individual. É gradual, é constante, é a escada em direção ao céu.


A todos nós foi dada a ordem de ser santos, "porque Ele é santo". (I Ped 1:16). Portanto, quem não está buscando a santificação para a sua vida está deixando de cumprir a Palavra de Deus.


É necessário ter um coração voluntário para buscar "as coisas de cima" (Col 3:1) e o "reino de Deus em primeiro lugar" (Mat 6:33), deixando a "Palavra de Cristo habitar em nós abundantemente" (Col 3:10), "perseverando em oração, velando com ações de graças". (Col 4:2).


Será que estamos fazendo a diferença onde Deus nos colocou? E se estamos, que tipo de diferença estamos fazendo? Jesus nos chamou para fazer diferença.


A Bíblia nos fala da importância do sal, mostrando-nos a sua função detemperar, preservar e limpar (Levítico 2:13; Juízes 9:45; Jó 6:6; Ezequiel 16:4). Sabemos que o sal é extremamente necessário para a conservação dos alimentos e um elemento importante em nossa alimentação.


Jesus disse: "vocês são o sal da terra", (v.13) quer dizer, somos o sal na vida das pessoas. Jesus compara a postura dos discípulos ao sal. Mas será que o nosso mundo precisa de sal (cristãos)? Com certeza, pois a cada dia que passa os níveis de violência aumentam, a quantidade de famintos aumenta, a venda e o consumo de drogas alcançam números espantosos, a cada dia as famílias estão se deteriorando, os níveis de corrupção, prostituição, seqüestros e destruição da natureza alcançam números recordes.


Se estamos aqui, constituídos como Igreja, reunidos para louvar e adorar ao Senhor, para estudar Sua Palavra, foi porque os cristãos que viveram antes de nós fizeram a diferença em sua geração, sendo sal da terra, influenciando a vida de pessoas. Como os apóstolos, os heróis da fé, e uma multidão de anônimos.


Jesus afirma que o sal que não salga, que não tempera, não serve para nada, exceto para ser jogado fora e pisado pelos homens (Mt 5:13). Os cristãos que não salgam caem no esquecimento da história e não são lembrados pelos homens e nem por Deus. O cristão deve salgar e não perder o seu poder de temperar (Mc 9:50; Lc 14:34; Cl 4:6).


Muitos cristãos estão vivendo um cristianismo insípido, de fachada, que não sai do seu gueto, que não causa impacto em sua geração. Causar impacto, fazer a diferença, salgar, não é simplesmente fazer grandes eventos, mas é misturarmo-nos no meio daqueles que se estão perdendo no pecado e necessitando de vida
(Mt 9:12).


"A terra era sem forma e vazia; e havia trevas sobre a face do abismo;|... e o Espírito de Deus se movia sobre a face das águas. E disse Deus: haja luz. E houve luz." (Gn 1:1-3). A primeira coisa que Deus traz à existência é a luz. A luz é a representação básica da glória de Deus.


O mundo jaz no maligno, por causa dessa situação: a humanidade vive em trevas. "O povo que vivia em trevas viu uma grande luz" (Mt 4:16). Jesus é essa grande luz: ele começa a pregar a vinda do reino dos céus.


Somos chamados para fazer a diferença, para levar a sério o fato de que somos filhos da luz, na certeza de que nossa vida expõe toda obra das trevas perante as pessoas, constrangendo o pecador a uma nova vida, a despertar do sono (Ef 5:8-4).


A vida cristã deve ser vista. Jesus quer que as pessoas vejam as nossas obras. Quando as pessoas olham para nossas vidas e percebem que somos diferentes, que somos sal da terra e luz do mundo, através disso, elas podem glorificar a Deus e se converter a Cristo. Paulo nos orienta a fazer tudo para a glória de Deus. (1 Co 10:31).


Muitos dizem : "eu tenho procurado ser um bom cristão, vou sempre à igreja, leio regularmente a Bíblia, sou dizimista, mas a minha vida espiritual é completamente cheia de altos e baixos. Não sei o por quê.“


Vida santificada é diferente de vida religiosa. Não há uma "receita" ou "prato feito" para se conseguir a santificação ou uma vida de mais altos do que de baixos. Fique sabendo, porém, que há uma luz no fim do túnel para aqueles que anseiam por reverter essa situação.


A partir do momento em que você reconhecer que precisa ter uma vida mais dedicada ao Reino de Deus, buscar a Pessoa de Deus, pedir misericórdia, confessar os seus pecados, e apresentar-se diante de Deus com pureza e retidão de coração, o seu estado começa a mudar. Isto é promessa!


Cristianismo é sinônimo de uma vida que faz a diferença, seja no escritório, no exercício da profissão, nos nossos relacionamentos (família, amigos, desconhecidos). Fomos resgatados das trevas, da morte, do pecado, para sermos sal da terra e luz do mundo, sendo tudo para gloria de Deus .


Em que estado você se encontra agora? Há o desejo das "coisas de cima" em seu coração? A Palavra de Cristo está abundando em sua vida? Tem perseverado em orações, velando com ações de graças? Ou está vivendo o sobe/desce da vida religiosa, sem a verdadeira santificação?


Busque a santificação, faça a diferença neste mundo tenebroso, pois com toda certeza, essa é à vontade do Senhor para sua vida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.