quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

10 Coisas Que eu Odeio em Você, Igreja.


Li essa semana um slongan bastante interessante que revela o quanto a igreja esta em baixa nos últimos tempos: ODEIO A IGREJA, NÃO JESUS!

A lista abaixo relacionada é direcionada à igreja institucional, à igreja-empresarial, ao clube de entretenimento, assim falsificada e vendida ao poder temporal. Não me refiro absolutamente à igreja verdadeira, ao remanescente fiel que muitas vezes está contido nessa igreja caricata dos nossos dias.

Compartilho aqui o sentimento de inconformação de Davi quando disse a Deus: Não aborreço eu, Senhor, os que te aborrecem? e não abomino os que se levantam contra Ti? Aborreço-os com ódio consumado, para mim são inimigos de fato.
O que eu odeia em ti, igreja dos nosso tempos?

1. A TUA PRETENSÃO OSTENSIVA de tu te veres superior a tudo e a todos, e com esse orgulho besta, deixas de ser reconhecida como voz de Deus e agência do Reino no mundo. Ao contrário, deverias te afastar pra bem longe dessa vaidade luciferiana e cair em si, voltando a servir humildemente ao mundo ao qual foste enviada.

2. QUANDO INFLEXÍVEL, IMPÕES O DETESTÁVEL LEGALISMO COMO FORMA DE CAMINHADA CRISTÃ com regras insuportáveis que mantém teus membros eternamente cativos a infantilidade na fé, ao invés de conduzi-los à maturidade cristã que alcança a essencial liberdade consciente e anda maduramente nas pegadas de Jesus de Nazaré.

3. A TUA CEGUEIRA REDUCIONISTA que não discerne claramente o Reino além de tuas limitadas fronteiras, expandindo a visão para ver e aceitar outras formas de expressão, de serviço cristão, de culto e de obras que também glorificam a Deus e contribuem para a expansão do Reino na terra.

4. A TUA FORMA DE JULGAR SUMARIAMENTE as pessoas, se são merecedoras do céu ou do inferno, como se coubesse a ti essa prerrogativa divina de seleção. Deveria tu saber que essa é uma ação exclusiva de Deus.

5. A TUA DISCIPLINA CORRETIVA que sempre exclui e joga fora todo aquele que desgraçadamente tropeça por algum motivo, levando invariavelmente o “disciplinado” ao abandono, e ferido, a morrer a míngua.

6. A TUA FORMA ANTIBÍBLICA DE EVANGELIZAR, definindo prazo de mudança para as pessoas ”aceitarem Jesus”, exigindo uma conversão urgente e superficial baseada na adequação compulsória às regras de teus usos e costumes, e não na radical soberana transformação do Espírito Santo, de dentro para fora, e no livre tempo de Deus.

7. A TUA VISÃO MISSIONÁRIA/ EVANGELÍSTICA DISTORCIDA que em nome do “ide” retira as pessoas de suas áreas de convivência na sociedade onde exerciam posições estratégicas para alcançar seus semelhantes, para mantê-los circunscritos à área do templo, transformando-os em pessoas inativas ou em obreiros alienados que desconhecem o que se passa no mundo que os rodeiam.

8. O TEU ABUSO DE PODER arrastando milhares de PESSOAS SINCERAS, frágeis, crédulas, simplórias, despreparadas e desavisadas à exaustão, ao esgotamento, ao sofrimento, à decepção, e a se sentirem absolutamente usurpadas física, emocional, material e espiritualmente. Essas pobres vítimas do teu poder abusivo se tornam amargas e refratárias para o Evangelho para sempre, fechadas para qualquer possibilidade de pensarem em Deus ou em coisas relacionadas a ti.

9. A FORMA IMORAL COM QUE TEUS LÍDERES LIDAM COM AS FINANÇAS, manipulando o dinheiro que entra em teus cofres de forma irresponsável, desonesta, revelando que são subjugados pelo deus Mamon. Reproduzes pastores que amam posição, poder, e o dinheiro, tornando-os cheios de avareza e de ganância. ISSO TEM CAUSADO GRANDES ESCÂNDALOS E DANOS IRREVERSÍVEIS PARA O EVANGELHO, E TU ÉS DIRETAMENTE RESPONSÁVEL POR ISSO!

10. E por último, odeio quando MENTES, ASSEVARANDO QUE FORA DE TI, AS PESSOAS NÃO PODEM SOBREVIVER. Saiba que existem milhões de pessoas que nunca adentraram em teus átrios e mesmo assim oram, têm temor, discernimento, maturidade, ética, moral e dignidade, muitas vezes, mais apurados que teus pobres membros pretensiosos.Sobretudo, há uma forma difícil, dolorida, mas possível, que pode mudar radicalmente esse quadro sombrio: TENS QUE PASSAR PELO PORTAL DO ARREPENDIMENTO. Como diria Jesus, Lembra-te de onde caíste e arrepende-te...

Fonte: Manoel DC

quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

Deixei de ser evangélico. Decidi ser cristão.


Pra começo de conversa, não são a mesma coisa. Embora se assemelhem, definitivamente não podem ser associadas.
Como afirmo isso? Simples. Diga-me, de pronto, quem são os evangélicos hoje?
O que caracteriza ser “evangélico”? Faça uma lista indicando um nome de expressão nacional ou de destaque em sua cidade, que se considera evangélico, em cada um dos setores que eu lhe indicar: política, meio empresarial, educação, saúde, órgão do governo. Basta.
Ótimo. Agora me diga, dos que você listou, em qual ou quais desses setores você pode dizer com todas as palavras que “põe a mão no fogo” pelo(s) indicado(s)?Da minha lista, nenhum, pelo menos dos que lembrei.É claro que existe muita gente bem-intencionada, que vive o que prega, que almeja a propagação do evangelho. Não posso deixar de pensar nestas pessoas.Infelizmente conheço muito mais gente que usa do termo “evangélico” para se esconder, para a autopromoção, contrariando o que, na verdade, significa ser evangélico.
Cansei de ser rotulado como tais. São os que mais enganam, os que mais fazem aumentar a lista de devedores no SPC, os que faltam com a honra da palavra, os que difamam, subjugam pessoas, envolvem-se em escândalos e espreitam a derrota, inclusive, dos próprios “irmãos da igreja”, os que mais se divorciam, os que mais sabem apontar o indicador de condenação, os que preservam os dogmas e matam o amor.Cansei-me dos chavões e palavras feitas, das retóricas eclesiásticas desnudas. De nada adianta falar do amor de Deus enquanto pessoas, do lado de fora dos templos, estão sem entender o barulho que se faz lá dentro.
Enquanto vejo pessoas simples dividindo o pouco que têm, com seus semelhantes (sem ter nenhuma denominação por trás), gente que diz ter todo o conhecimento do Criador, todos os métodos de felicidade, de triunfo, de sucesso, pouco faz, tendo, às mãos, muito mais do que precisa.Ser evangélico é bonito, é moderno, é diferente, é místico, é favorável.
Por muitos anos convivi numa igreja pentecostal que agia como se todo o mundo estava perdido. Somente aqueles que pertenciam àquela denominação tinham o direito à salvação. Que hipocrisia.
Reivindicar pra si o direito único de conduzir um punhado de pessoas aos céus. Aliás, quem tem esse poder, a não ser o Messias?Por esses motivos deixei de ser evangélico e decidi ser cristão.
Decidi viver bem com Deus, sem, no entanto, fazer propósitos desorientados, viver na alienação dos temores, forçado à obediência e submissão a um líder que se auto - intitula representantes de Deus na terra, que usam a persuasão, sob o engano de uma possível maldição caso discorde deles. Decidi ser mais humano, mais emocional, menos racional, mais sensível, menos religioso. Decidi aceitar os dois lados da moeda, as verdades; não criticar, não condenar, não se queixar.Quero ser cheio de compaixão, quero exprimir amor, quero entender o sofrimento alheio, antes de indicar a proveniência. Quero, simplesmente, ser cristão. Por Rodnei Cypriano:
Esquina da Fé

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

A Crise Da Igreja Evangélica No Brasil



Cresce a cada dia avassaladoramente o número de crentes que se dizem sem denominações (Igrejas). Movimento este que já está conhecido como “Os Sem Denominações” . Pessoas que estão contra e/ou decepcionadas com a chamada teologia da prosperidade, pessoas hoje que acreditam que suas contribuições não passam de impostos para enriquecerem a pastores e suas clãs. Ou taxa paga para se pertence a um clube religioso. Pessoas que afirmam que os pastores de hoje apascentam a si mesmo e não mais os rebanhos. Ao ponto de terem seus templos cheios de pessoas perdidas e escravas de uma doutrina governada por suas denominações, que são demonizadas, democratizadas, politizadas e mercantilizadas. Templos cheios de analfabetos espirituais (pessoas que ouvem sobre a bíblia, mas nem sequer as lêem). Pessoas que não conseguem mais servir a Deus em um ambiente familiar, ou orar como Jesus os ensinou no silêncio de seus quartos. Pedintes espirituais literalmente, inclusive de orações. No inicio, a igreja Cristã era formada por um grupo de pessoas centradas nos Evangelhos e no Cristo Vivo. Até a igreja chegar a Grécia onde tornou-se uma filosofia. Depois chegou a Roma e tornou-se uma instituição. Em seguida, à Europa, e tornou-se uma cultura. E finalmente chegou a América, mais precisamente no Brasil onde tornou-se um business. Uma religião que teve início no século III d.C; contaminando o Evangelho e a essência do que é ser um discípulo de Jesus. Transformando o Evangelho em um ritual religioso com dogmas, doutrinas criadas e estabelecidas em concílios, decretos e estatutos fechados ao povo. Por Papas, Bispo e Pastores. O Cristianismo de hoje é uma perversão. Transformaram o Evangelho de Cristo puro e simples em uma religião, com suas doutrinas, seus usos e costumes, suas tradições denominacionais que são imutáveis e muita barganha com os homens. Praticando assim, uma verdadeira obra de estelionato contra o Evangelho de Cristo. É difícil imaginar que Jesus tem qualquer coisa a ver com o que nos chamamos de “igrejas”. Seja ela aquela que se abriga no vaticano, ou seja, aquelas que tem tantas sedes quantos pastores, bispos ou apóstolos Megalomaníacos. O mais assustador e que em meio a isto tudo não há o relacionamento puro e verdadeiro das pessoas com o Evangelho, e sim com suas denominações. Seus grupos se reúnem por guetos, com usos e costumes próprios, além é claro de uma saudação que os identifica. Tudo isto fruto da mente humana e de sua dependência a religião e os seus preceitos. O amor a religião se tronou a gaiola de acomodação do homem, a prisão na qual ele mesmo se aprisiona por conta própria na falsa ilusão de estar fazendo algo pra Deus. Vão aos seus Templos onde se é promovido o chamado encontro com Deus, que só se torna possível através da aceitação daquela doutrina imposta por um Pastor ou por uma denominação. Sem falar nos apelos, via rádio, Tvs, internet e etc. Para suas chamadas campanhas, que por vez arrebatam multidões, que buscam a qualquer preço a tão sonhada prosperidade prometida por seus lideres. Estas são algumas das muitas situações relacionadas pela situação de apostasia que pode ser encontrada dentro de algumas “igrejas”. Transformando crentes em convencidos do que convertidos. Isto é o Cristianismo de hoje.