quarta-feira, 26 de setembro de 2012

As quatro âncoras de Deus. At.27

ILUSTRAÇÃO: 

Barco da Vida - Deus te entregou um barco, que é a tua vida, e por mares ou rios, entre a calmaria e a tempestade, tu tens o dever de pelo menos segurar no leme e buscar dirigir esse barco da melhor maneira possível, conservando-o com carinho, para um dia devolvê-lo ao seu verdadeiro dono. Se a tua viagem tem sido agitada por tempestades, se raios e trovões tem te colocado em situação de medo e apreensão, hoje, neste dia abençoado, tu vais ter a oportunidade de recomeçar. 

I - SEJA UM LÍDER CORAJOSO E ASSUMA O COMANDO DESTA SITUAÇÃO DIFÍCIL. 

Existem 05 decisões básicas na vida cristã: 

        a) Descansar em bons portos. 

V.8 chegamos a um lugar chamado Bons Portos. “Seguindo a orientação de Paulo”. 

2Co.11:25 Três vezes fui açoitado com varas, uma vez fui apedrejado, três vezes sofri naufrágio, uma noite e um dia passei no abismo; 


      b) Se familiarize com a tempestade. (Uma tempestade é simplesmente um estado de confusão na atmosfera). 

At.27:11 Mas o centurião cria mais no piloto e no mestre, do que no que dizia Paulo. 

 • Nem sempre a maioria tem razão. (O vento suave virou tufão de vento) 

At.27:20 E, não aparecendo, havia já muitos dias, nem sol nem estrelas, e caindo sobre nós uma não pequena tempestade, fugiu-nos toda a esperança de nos salvarmos. 

 • Nem sempre conselhos abalizados refletem a vontade de Deus. 

       c) Assuma O Controle Da Situação 

“ a crise não faz a pessoa, a crise mostra do que a pessoa é feita e, normalmente, faz aflorar a verdadeira liderança”. 

      d) Compartilhe a Palavra de Deus. 

 At.27:21-22 E, havendo já muito que não se comia, então Paulo, pondo-se em pé no meio deles, disse: Fora, na verdade, razoável, ó senhores, ter-me ouvido a mim e não partir de Creta, e assim evitariam este incômodo e esta perda. 

 “REMANDO CONTRA A MARÉ" Vez por outra, ouve-se esta frase pronunciada por alguém, num desabafo ante o insucesso de um empreendimento qualquer que não deu certo, ou que não aconteceu de acordo com o esperado. Estes fatos evidenciam a ausência do Espírito Santo e a falta de experiência de um viver em Cristo. Pedras nos caminhos existem para todos; removê-las com sabedoria depende do talento de cada um. 

      e) Lançaram quatro âncoras. 

At.27:29 E, temendo ir dar em alguns rochedos, lançaram da popa quatro âncoras, desejando que viesse o dia. 

 Âncora, é alicerce, é fundamento, é exemplo da nossa fé. Hb. 6:19 “A qual temos como âncora da alma, segura e firme”. 

 II - SÃO QUATRO AS AFIRMAÇÕES DE DEUS PARA SEU POVO NO MEIO DE UMA TEMPESTADE. 

 At.27:23 Porque esta mesma noite o anjo de Deus, de quem eu sou, e a quem sirvo, esteve comigo, 

          a) Âncora nº 01 - De quem eu sou; 

 • Não permita que a tempestade faça você se esquecer que o Senhor é o seu Deus e que o seu poder é inabalável. 

 • Nenhuma vida que está nas mãos de Deus está fora do seu controle, não importa o tamanho e a força da tempestade. 

         b) Âncora nº 02 - A quem eu sirvo; 

 • A tempestade pode frustrar nossos projetos humanos, mas não frustra os projetos que Deus confiou a nós. 

        c) Âncora nº 03 – Promessa; 

 2 Co. 1:20 Porque todas quantas promessas há de Deus, são nele sim, e por ele o Amém, para glória de Deus por nós. 

       d) Âncora nº 04 – Livramento. 

 Is. 43:1-2 Mas agora, assim diz o SENHOR que te criou, ó Jacó, e que te formou, ó Israel: Não temas, porque eu te remi; chamei-te pelo teu nome, tu és meu. Quando passares pelas águas estarei contigo, e quando pelos rios, eles não te submergirão; quando passares pelo fogo, não te queimarás, nem a chama arderá em ti. 

 • Deus está dizendo o mesmo para você. Segure firme nas âncoras e nenhuma tempestade, por mais violenta que seja, fará você afundar! 

CONCLUSÃO: 

Paulo de prisioneiro a capitão. At. 27: 35-37. E, havendo dito isto, tomando o pão, deu graças a Deus na presença de todos; e, partindo-o, começou a comer. E, tendo já todos bom ânimo, puseram-se também a comer. E éramos ao todo, no navio, duzentas e setenta e seis almas.  

A tempestade pode frustrar nossos projetos humanos, mas não frustra os projetos que Deus confiou a nós. O tempo todo, o navio parecia estar fora de controle, mas estava na direção certa porque Deus estava no comando.

sábado, 22 de setembro de 2012

O EVANGELICALISMO BRASILEIRO É IDÓLATRA, PERNICIOSO E DOENTE.

Gostaria de argumentar, embora corra o risco de simplificar em demasia e de ser acusado de arrogante, que a fé evangélica não é outra senão a fé cristã histórica. O cristão evangélico não é aquele que diverge, mas que busca ser leal em sua procura pela graça de Deus, a fim de ser fiel à revelação que Deus fez de si mesmo em Cristo e nas Escrituras. A fé evangélica não é uma visão peculiar ou esotérica da fé cristã – ela é a fé cristã. Não é uma inovação recente. A fé evangélica é o cristianismo original, bíblico e apostólico. 

É algo natural em nossa época ao falarmos de idolatria, vermos pessoas se vangloriando de abandonar o catolicismo para se tornar um evangélico. Não há imagens, crucifixos, velas etc. Não frequento mais missa, “conheço muitos louvores tremendos” e tenho um ministério poderoso de cura para as nações; idolatria, nunca mais, diz o neófito com dez anos de “fé”! 

Em meio a tantos encontros de três dias, tantas unções e “palavras proféticas”, o indivíduo se enche de uma certeza inabalável que conhece o Senhor mais do que aquele cristão “frio” que apenas fala da bíblia, intransigente e criterioso. Nesse homem não se vê pulos, não há risos com uma pregação cheia de piadas, ele não entra na onda do cair no espírito (não acha razões bíblicas suficientemente fortes para isso), as músicas evangélicas populares de Top Ten, são, para ele, aguadas de conteúdo bíblico e doutrina fiel. É difícil encontrar alguns desses andando por aí. Eles não se encontram nas marchas para Jesus, emporcalhando a cidade e tornando o trânsito um inferno, muito menos, nós o veremos dando ibope as redes de televisão aberta, pois ninguém gosta de sua mensagem, ele é intragável! 

Por que isso acontece? Simples, a cultura de crentes formados em solo brasileiro é idolátrica até a alma! Sim, o evangelicalismo brasileiro é idólatra, pernicioso e doente. 

Até pouco tempo, o cristão era visto como alguém que não era aplaudido pela mídia, recebia preconceitos por cada pronunciamento seu ser acompanhado por dois ou três versículos, era um corpo estranho na sociedade, o inferno e a ira era a pregação impopular que ameaçava ao ímpio endurecido. Jesus te ama, era bem o que os pecadores queriam ouvir, mas esses homens não os ajudavam a se sentirem melhor com esses clichês. As músicas falavam sobre a espada da lei, logo, não podiam ganhar o Grammy Latino. Encharcadas de bíblia, as almas cantavam grandioso és tu, pois, meditavam nessa verdade de Genesis a Apocalipse. Nesse tempo os pastores não trocavam de carro todo ano à custa dos fiéis, mas a bíblia era ensinada completamente, ele lutava consigo mesmo durante dias estudando e orando ao Senhor por apenas um sermão. Doutrinas eram expostas, e, o coração da ovelha caída era enternecido pelas palavras de vida eterna, pela visitação pastoral e pela oração sobrecarregada de seus irmãos. A justificação pela fé e a salvação pela graça eram temas conhecidos e decorados pelas crianças, assim podiam cantar capítulos inteiros da bíblia até a sua mocidade. 

A prática dos cristãos modernos e populares é exatamente oposta, ideológica e moralmente, dessa antiga geração de cristãos fiéis. Negligenciam descaradamente a palavra de Deus em nome de um “tanto faz”, deixa assim mesmo ou “quem somos nós para julgarmos”? Uma geração de crentes com anos de igreja sem ter lido a bíblia toda. O culto familiar foi abandonado, e, as crianças se tornaram em depósitos de ensinamentos e cânticos mais fracos do que a pregação-teatro-jogral-ministração-unções que é feita no templo no templo domingo após domingo, campanha após campanha. O teatro usurpou a pregação e fez que a mensagem fosse mais “relevante” aos bodes, ainda que se abrisse um pouco a bíblia para falar algo, isso seria apenas para desencargo de consciência, mas não alimentava o suficiente. Embora se desconfiem que existam práticas estranhas e místicas, a ditadura do líder fundador, faz a mente preguiçosa do crente alienado, relaxada e apta a não usar o discernimento bíblico. 

A verdade é que tudo está estampado diante do mais simples crente, mas, as escamas da alienação, não permitem que a luz brilhe. Algum cantor (a) famoso se “converte”, rapidamente grava mais um cd e dá uma guinada em sua vida pública que antes estava esquecida, e, com seu testemunho, arrecada milhares de reais gastos em hotéis e cruzeiros de luxo, fazendo assim a “obra” de Deus. 

Se isso não é idolatria e paganismo camuflado de piedade, então, o evangelho puro e simples de Cristo, pregado e vivido pela igreja primitiva, é falso. Mas o só pensar nisso é blasfêmia! Viver segundo o que o “apóstolo” diz e não julgá-lo pela bíblia, andar amarrando tudo que é demônio inventado por aí, sem parar para examinar nas escrituras, profundamente, cada uma dessas coisas, é desprezar a Palavra da maneira mais vil e religiosa possível, é odiar a Deus com as mãos levantadas, pensado que está fazendo o bem. Fazer o que se pensa que é certo, utilizando a si mesmo como o padrão, e, não a bíblia, através do estudo diligente desta, é profanação da pior espécie. 

Que Deus tenha misericórdia dessa geração.

sábado, 8 de setembro de 2012

O tabernáculo - o Lugar da morada de DEUS


A proposta desta mensagem é levar o ouvinte a uma viagem pelas Escrituras, e a um caminhar espiritual pela fé no tabernáculo. Êx.25:1-8 

Lembrando: 

• Israel caminhava com aquilo que era transitório e passageiro; e nós com o que é verdadeiro e eterno. 
• A velha aliança nos dá a sobra; a nova aliança nos dá a substância (aquilo que é real). 

Heb.8:5 Os quais servem de exemplo e sombra das coisas celestiais (futuras). 

V.3 Ouro: Símbolo da divindade; prata: símbolo da redenção; bronze: símbolo de sofrimento. 
V.4 As quatro cores símbolos do evangelho. Azul: Jesus, o filho de Deus. “João”; púrpura: Jesus, o Rei. “Mateus”; Escarlate: Jesus, o Salvador. “Lucas”. Linho fino (branco) Jesus, o homem perfeito “Marcos”. Peles de cabra: Jesus, o profeta maior que Moisés. 

Dt. 18:15 O SENHOR teu Deus te levantará um profeta do meio de ti, de teus irmãos, como eu; a ele ouvireis; 

V.5 Peles de texugos: ausência de beleza; Madeira de Acácia: A carne incorruptível; 
V.7 Azeite: Adoração; As pedras do peitoral: A igreja. Diante da visão da construção do tabernáculo dada por Deus a Moisés. Deus detalhou a construção de Dentro para fora. (ilustrando a mudança do homem). 

• Para entendermos e preciso começar de fora. 

1 - A entrada do tabernáculo era chamada de o caminho; 
2 - a porta que dava acesso ao lugar Santo chamava-se de verdade; 
3 - e o acesso ao Santíssimo lugar era chamado de a vida. 

(Jo.14:6 Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim). 

O tabernáculo era cercado por uma enorme cerca de linho fino, com 60 postes (colunas) feitos de madeira de acácia.                                                No topo de cada estaca tínhamos um forro de prata, que representa a “redenção” (Rom.3:24 Sendo justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus)                            ; e bases de bronze representando o “sofrimento” (Is.53:4 Verdadeiramente ele tomou sobre si as nossas enfermidades, e as nossas dores levou sobre si; e nós o reputávamos por aflito, ferido de Deus, e oprimido)                                                    ; e uma corda de fio de carneiro representando nossos “pecados” (1jo.2:2 E ele é a propiciação pelos nossos pecados, e não somente pelos nossos, mas também pelos de todo o mundo)          ; amarrado nesta corda estava uma estaca de bronze, que deveria ser enterrada pela metade no chão. Representando o corpo de Cristo que foi sepultado, mas não ficou na sepultura. (Mc.16:6 Ele, porém, disse-lhes: Não vos assusteis; buscais a Jesus Nazareno, que foi crucificado; já ressuscitou, não está aqui; eis aqui o lugar onde o puseram) 

• Na figura da estaca e de seus elementos temos Cristo. 

O poste: Jesus, o homem perfeito; A prata: Jesus, o redentor; o bronze: Jesus, o Salvador; A corda: Jesus, que se fez pecado por mim; a estaca: Jesus, que sofreu, morreu e ressuscitou. 

                       I- A primeira coisa a ser vista ao entrar no tabernáculo era um altar de sacrifício, e este só podia ser observado por dentro. Quem estava de fora não podia ver os utensílios de dentro. 
É onde começa a caminhada cristã. Onde o nosso "ISAQUE" precisa ser sacrificado, onde nosso eu precisa morrer. É diante do altar que compreendemos o poder do sangue derramado. 
Ef.1:7 Em quem temos a redenção pelo seu sangue, a remissão das ofensas, segundo as riquezas da sua graça.

I Jo.1;7 Mas, se andarmos na luz, como ele na luz está, temos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus Cristo, seu Filho, nos purifica de todo o pecado. 

Rom.5:9 Logo muito mais agora, tendo sido justificados pelo seu sangue, seremos por ele salvos da ira. 

• O sangue de Jesus já se ocupou dos nossos pecados (perdão), do nosso presente (nos limpa); e do nosso futuro (justificação). 

                      II - A fonte: símbolo da Palavra de Deus. Era de bronze polido, como um espelho para refletir a imagem do homem. 

• Muitos crentes não passariam da entrada do tabernáculo. Porque ainda não tem crucificado sua carne. 

Jo.13:10 Disse-lhe Jesus: Aquele que está lavado não necessita de lavar senão os pés, pois no mais todo está limpo. 

Nesta fonte, Nós somente precisamos lavar nossos pés. Pois nossa salvação não esta em obras. Lavamos nossos pés porque ainda estamos neste mundo. 

                     III - E, diante do lavatório esta a entrada do lugar santo. Estabelecida sobre cinco colunas. Que são os cinco ministérios da igreja. 

Ef.4:11-16 E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores, Querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de Cristo; Até que todos cheguemos à unidade da fé, e ao conhecimento do Filho de Deus, a homem perfeito, à medida da estatura completa de Cristo, Para que não sejamos mais meninos inconstantes, levados em roda por todo o vento de doutrina, pelo engano dos homens que com astúcia enganam fraudulosamente. Antes, seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, Cristo, Do qual todo o corpo, bem ajustado, e ligado pelo auxílio de todas as juntas, segundo a justa operação de cada parte, faz o aumento do corpo, para sua edificação em amor. 

Ilustração: A mão. O dedo polegar é apostolo. Pois toca em todos; o indicador é o profeta; o dedo maior é o evangelista; o dedo anular é o pastor; e o dedo mindinho é o mestre (que se mete nas coisas pequenas). 

No lugar Santo você encontra: a) o candelabro, que nos traz luz e a revelação de Deus para nossas vidas. b) a mesa dos pães ázimos representa a nossa satisfação. (O pão ázimo deveria ser coberto de aroma de incenso). O incenso tem um aroma doce. Porém um gosto amargo. 

1Pe.4:14 Se pelo nome de Cristo sois vituperados, bem-aventurados sois, porque sobre vós repousa o Espírito da glória e de Deus; quanto a eles, é ele, sim, blasfemado, mas quanto a vós, é glorificado. 

 c) o altar do incenso, que significa nossa adoração. Altar este que deveria estar aceso permanentemente. IV - E fim, o Santo dos Santos. O lugar onde Deus habita. Neste lugar não há palavras, e lugar onde encontramos com Deus e o tocamos. Sentimos sua presença. 

Conclusão: No portão, fomos reconciliados; no altar, fomos redimidos; na fonte, fomos santificados; no altar nos derramamos; e no Santo dos Santos o tocamos.