sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Muito Mais que Um Pregador

John MacArthur




Quais são as responsabilidades do pastor, além de pregar e estudar?


A resposta para a sua pergunta está no título que você usou: pastor. Este título é cheio de significado e estabelece as principais responsabilidades de um ministro.


Uma das metáforas favoritas de Jesus para a liderança espiritual, uma que Ele utilizava freqüentemente para descrever a si mesmo, era a de pastor – uma pessoa que supervisiona o rebanho de Deus. Um pastor guia, alimenta, cria, conforta, corrige, e protege – responsabilidades que caem sobre todo líder de igreja. Na verdade, a palavra pastor quer dizer pastor de ovelhas.


"Como ovelhas perdidas, pessoas perdidas precisam de um resgatador – um pastor - para conduzi-las à segurança do aprisco."


Pedro escreveu estas palavras a presbíteros que deveriam estar familiarizados com ovelhas e pastoreio:


"Rogo, pois, aos presbíteros que há entre vós, (...) pastoreai o rebanho de Deus que há entre vós, não por constrangimento, mas espontaneamente, como Deus quer; nem por sórdida ganância, mas de boa vontade; nem como dominadores dos que vos foram confiados, antes, tornando-vos modelos do rebanho. Ora, logo que o Supremo Pastor se manifestar, recebereis a imarcescível coroa da glória.” (1 Pedro 5:1-4)


Para oferecer-lhe um quadro mais completo do seu papel como pastor, aqui vai um panorama sobre a natureza das ovelhas, a tarefa dos pastores, e como eles se comparam ao papel do pastor na igreja. Note os princípios de liderança eclesiástica que eles contêm. Eles determinam o que deveria preencher a sua agenda como pastor.




Pastores São Resgatadores


Uma ovelha pode estar completamente perdida a apenas alguns quilômetros de sua casa. Sem senso de direção e sem instinto para achar o aprisco, uma ovelha perdida normalmente ficará vagando de um lado para outro em um estado de confusão, desassossego, e até mesmo de pânico. Ela precisa de um pastor para trazê-la para casa.


E assim quando Jesus viu as multidões, perdidas, espiritualmente desorientadas e confusas, Ele as comparou a ovelhas sem pastor (Mateus 9:36). O profeta Isaías descreveu as pessoas perdidas como aquelas que, tal qual a ovelha, andam desgarradas - cada uma se desviando pelo caminho (Isaías 53:6).


Como ovelhas perdidas, pessoas perdidas precisam de um resgatador – um pastor - para conduzi-las à segurança do aprisco. Um pastor faz isso conduzindo os perdidos para Jesus, o Bom Pastor que dá Sua vida pelas ovelhas (João 10:11).




Pastores São Alimentadores


Ovelhas passam a maior parte das suas vidas comendo e bebendo, mas elas atentam para a sua dieta. Eles não sabem a diferença entre plantas venenosas e não-venenosas. Por isso o pastor tem que vigiar a dieta delas cuidadosamente e tem que proporcionar-lhes pasto rico em nutrientes.


Em Seu encontro com Pedro, descrito em João 21, Jesus apontou-lhe a importância de alimentar as ovelhas. Duas vezes em Sua ordem para Pedro, Jesus usou o termo grego bosko que significa "eu alimento" (vv. 15, 17).


"O recurso mais importante de liderança espiritual é o poder de uma vida exemplar."


O objetivo do pastor não é agradar a ovelha, mas alimentá-la. Não é coçar-lhe os ouvidos, mas nutrir-lhe a alma. Ele não deve oferecer meros lanches rápidos de leite espiritual, mas a carne substanciosa da verdade bíblica. Aqueles que não alimentam o rebanho são inadequados para serem pastores (cf. Jeremias 23:1-4; Ezequiel 34:2-10).




Pastores São Líderes


Pedro desafiou seus companheiros presbíteros a "apascentar o rebanho de Deus que está entre vós, tendo cuidado dele" (1 Pedro 5:2 - ARC). Deus confiou-lhes a autoridade e a responsabilidade de conduzir o rebanho. Os pastores são responsáveis pela forma como lideram, e o rebanho pela forma como segue (Hebreus 13:17).


Além do ensino, o pastor exerce liderança do rebanho pelo seu exemplo de vida. Ser um pastor exige viver entre as ovelhas. Não é tanto uma liderança vinda de cima, mas uma liderança vinda de dentro. Um pastor eficiente não reúne suas ovelhas vindo por trás delas, mas conduz o rebanho indo à frente. Elas o vêem e imitam suas ações.


O recurso mais importante de liderança espiritual é o poder de uma vida exemplar. 1 Timóteo 4:16 instrui um líder de igreja: "Tem cuidado de ti mesmo e da doutrina. Continua nestes deveres; porque, fazendo assim, salvarás tanto a ti mesmo como aos teus ouvintes."




Pastores São Protetores


Ovelhas são quase completamente indefesas - elas não conseguem chutar, arranhar, morder, saltar, ou correr. Quando atacadas por um predador, elas amontoam-se em vez de sair correndo. Isso as transforma em presas fáceis. Ovelhas precisam de um pastor que as proteja para que possam sobreviver.


Cristãos precisam de proteção semelhante contra o erro e contra aqueles que o disseminam. Os pastores impedem suas ovelhas espirituais de se desviarem, defendem-nas contra os lobos selvagens que de outra forma as destruiriam. Paulo preveniu os pastores de Éfeso a ficarem alertas e protegerem as igrejas sob o cuidado deles:


"Atendei por vós e por todo o rebanho sobre o qual o Espírito Santo vos constituiu bispos, para pastoreardes a igreja de Deus, a qual ele comprou com o seu próprio sangue. Eu sei que, depois da minha partida, entre vós penetrarão lobos vorazes, que não pouparão o rebanho. E que, dentre vós mesmos, se levantarão homens falando coisas pervertidas para arrastar os discípulos atrás deles." (Atos 20:28-30).




Pastores São Confortadores


Ovelhas não possuem um instinto de auto-preservação. Elas são tão humildes e mansas que se você as maltratar, elas são facilmente esmagadas em espírito e podem simplesmente render-se e morrer. O pastor tem que saber os temperamentos individuais das suas ovelhas e tomar cuidado para não infligir tensão excessiva. Conseqüentemente, um pastor fiel ajusta seu conselho à necessidade da pessoa a quem ele está auxiliando. Ele deve “admoestar os insubmissos, consolar os desanimados, amparar os fracos e ser longânimo para com todos.” (1 Tessalonicenses 5:14).




O Bom Pastor e os seus "Subpastores"


Jesus é o exemplo perfeito de um pastor amoroso. Ele engloba tudo o que um líder espiritual deveria ser. Pedro O chamou de "Supremo Pastor" (1 Pedro 5:4). Ele é nosso grande Resgatador, Líder, Guardião, Protetor, e Confortador.
"Líderes de igreja são "subpastores" que guardam o rebanho sob os olhos atentos do Supremo Pastor."


Líderes de igreja são "subpastores" que guardam o rebanho sob os olhos atentos do Supremo Pastor (Atos 20:28). Eles têm uma responsabilidade de tempo integral porque eles ministram para pessoas que, como ovelhas, freqüentemente são vulneráveis, indefesas, sem discernimento, e propensas a desviar-se.


Pastorear o rebanho de Deus é uma tarefa gigantesca, mas para pastores fiéis traz a rica recompensa da coroa imarcescível de glória que será concedida pelo Supremo Pastor quando Ele se manifestar (1 Pedro 5:4).


Se o seu pastor estiver levando a cabo os deveres requeridos no título do cargo que ocupa fielmente, lembre-se de seguir esta advertência da Bíblia:


"Obedecei aos vossos guias e sede submissos para com eles; pois velam por vossa alma, como quem deve prestar contas, para que façam isto com alegria e não gemendo; porque isto não aproveita a vós outros." (Hebreus 13:17)


No Salmo 23 observamos a importância do Pastor para ovelha, é o Pastor quem checa onde sua ovelha tem se alimentado, se ela tem sido influenciada, se existe vestígios de larvas nos ouvidos de suas ovelhas...e se tivesse era necessário jogar azeite para que aquilo fosse expelido.




***


Mas hoje é difícil encontrar Pastores com tanto zelo por suas ovelhas, somente aqueles que desenvolveram o caráter de Cristo em suas vidas que ainda conseguem ter essa preocupação com o seu rebanho, o cuidado pelas ovelhas tem se perdido no mundo de hoje, ficando evidente a falta desse caráter, falta de amadurecimento e interesses próprios. (Nota Mulheres Com Propósitos)

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

POR QUE O EVANGELHO NÃO SE CUMPRE NA SUA VIDA?

Jesus disse que as Palavras Dele são espírito e são vida!

No entanto, o que Ele nos mandou obedecer como Sua Palavra se põe em oposição a tudo o que o mundo pode compreender; posto que viole as convenções da honra, da reputação, da justiça própria, da valentia que se expõe às brigas, do enfrentamento de quem deseje nos defraudar, da defesa ante a calunia, do julgamento que se tem por certo, do ódio ao que se assuma como direito em razão da ofensa; ou ainda: da antipatia que decorra dos maus tratos, ou mesmo da indiferença para conosco; e, também, dando complemento a isto, Ele fala de abrir mão do desejo de possuir, mesmo que se possa atender ao nosso capricho como poder —; e, em contrapartida a tudo, Ele recomenda a via dos otários; dos que não aceitam a provocação, dos que desviam seu caminho do enfrentamento odioso, dos que levam desaforo para casa em oração, dos que não topam o embate com o perverso, dos que dão a outra face, dos que oferecem além da capa demandada até mesmo o paletó que não foi pedido, dos que recolhem os seus direitos, os seus tesouros, as suas pérolas, por não terem nenhuma necessidade de demonstração de quem sejam ou do que pensem, especialmente quando os circunstantes tenham espirito de porco ou sejam cães raivosos.

Entretanto, mesmo sabendo que este é o espirito do ensino de Jesus para a vida, a maioria dos que se dizem Seus discípulos, odeiam tais mandatos, tal espírito e tal vida.

O interessante é que mesmo nada querendo com as palavras que são espirito e são vida segundo Jesus, esses mesmos discípulos querem que a Palavra de Jesus se torne real sem que tais realidades da Palavra — seus conteúdos —, se tornem fatos, princípios, atitudes, posturas, sentimentos, decisões e práticas de nossas vidas e cotidianos.

É como querer habitar a profundidade dos mares sem guelras, como desejar voar sem asas, como ambicionar correr sem pernas, como pretender respirar sem pulmões, como buscar ver sem olhos, ouvir sem ouvidos; ou seja: é como quer ser sem alma e sem espírito!

O que vejo nas ambições dos crentes que querem que a Palavra se cumpra sem obediência à própria Palavra é equivalente a todas as formas de insanidade!

O argumento da maioria é que Jesus disse o que disse para nos dar referencias superiores, mas que, de um modo ou de outro, se crermos Nele, não necessariamente em Suas Palavras, mas no Seu poder, nas Suas milagrices, nos Seus dons de cura, nas Suas magias, ou, em algumas ocasiões, cremos também numa espécie de sequestro da honra de Jesus, quando se diz: 

“Eu sei que tu és Deus; então não me desapontes, pois estou confessando com a boca que Tu és o Maior dos maiores; não me deixes ficar, portanto, envergonhado ante aqueles a quem eu declaro o Teu poder sobre os ídolos!” — Ele fica sem saída; sendo esta uma formula mágica de uma crença muito divulgada acerca do encurralamento de Deus; crendo-se, assim, que desse modo se O põe a trabalhar em nosso favor em nome da Honra do Nome de Jesus para os outros; embora, para nós, Jesus seja apenas um nome destituído de pessoalidade, caráter, ensino, verdade e convocação à obediência; sempre esquecidos de que Ele disse: “se me amais, guardareis os meus mandamentos”; e mais: “...vós sóis meus amigos se fazeis o que eu vos mando”.

Então com esse Nome/Crença na boca [...] pulamos do pináculo do templo, aventuramo-nos contra os perversos, saímos no tapa em nome da honra ou da valentia; e mais: damos pérolas aos porcos, odiamos os que nos odeiam, antipatizamos os diferentes, julgamos quem achamos que deve ser julgado, andamos no caminho largo dos caprichos, edificamos nossa casa na areia, ficamos amigos do lobo vestido de ovelha [ou até casamos com ele ou ela]; enquanto, também, pedimos misericórdia de Deus para a nossa incapacidade de obedecer, de guardar puro o coração, de perdoar sempre, de amar os nossos inimigos, de orar pelos que nos perseguem; sim, rogamos a Ele que nos perdoe o adultério do qual nunca desistiremos, que nos justifique do que sabemos e não nos dispomos a pôr em prática em relação ao que ensinamos aos outros, mas, para nós mesmos, não acolhemos como espírito e vida.

Então [...] — apesar de tudo isto, reclamamos que a Palavra não nos faz bem, não realiza o prometido, não trás a paz que excede a todo entendimento, não nos faz viver em contentamento verdadeiro, não qualifica a nossa existência com a vida em abundancia.

O conceito de insanidade é fazer sempre as mesmas coisas [erradas], esperando obter resultados diferentes!

Ora, no caso das Palavras de Jesus a insanidade é ainda maior, posto que Ele tenha dito que todo aquele que ouve e conhece as Suas palavras, e não as pratica, é um tolo que constrói sua casa na areia de uma praia na qual a maré sobe todo dia; e mais: as intempéries nunca deixam de assolar.

Eu teria muito mais a dizer sobre isto, mas deixo com você a busca de aplicar na sua existência, com toda simplicidade obvia [...] estes pensamentos infalíveis; posto que não seja filosofia minha, mas a pura, simples e irrebatível Palavra de Jesus.

“As minhas palavras são espírito e são vida” — ; mas apenas para os quais elas [as palavras] se tornem espírito e vida mesmo; ou seja: interioridade, pensamento, entendimento, prática, atitude e comportamento. Do contrário, creia, é loucura pensar que não sendo assim possa realizar qualquer coisa em nossa vida.


Nele, em Quem somente é [...] aquilo que Ele disse que é,


Pr. Caio Fábio

sábado, 21 de janeiro de 2012

Cego sim, surdo não!





Então chegaram a Jericó. Quando Jesus e seus discípulos, juntamente com uma grande multidão, estavam saindo da cidade, o filho de Timeu, Bartimeu, que era cego, estava sentado à beira do caminho pedindo esmolas.
Quando ouviu que era Jesus de Nazaré, começou a gritar: "Jesus, Filho de Davi, tem misericórdia de mim! "
Muitos o repreendiam para que ficasse quieto, mas ele gritava ainda mais: "Filho de Davi, tem misericórdia de mim! "
Jesus parou e disse: "Chamem-no". E chamaram o cego: "Ânimo! Levante-se! Ele o está chamando".
Lançando sua capa para o lado, de um salto, pôs-se de pé e dirigiu-se a Jesus.
"O que você quer que eu lhe faça? ", perguntou-lhe Jesus. O cego respondeu: "Mestre, eu quero ver! "
"Vá", disse Jesus, "a sua fé o curou". Imediatamente ele recuperou a visão e seguia a Jesus pelo caminho.
Marcos 10:46-52 (NVI)


I - QUEM ERA BARTIMEU?


Literalmente, o texto diz que Bartimeu era cego e mendigo.


A cegueira física inutiliza o homem para muitas coisas e o limita das ações, paralisando muitos projetos.


“Mas, se o nosso evangelho ainda está encoberto, é para os que se perdem que está encoberto, nos quais o deus deste século cegou o entendimento dos incrédulos, para que lhes não resplandeça a luz do evangelho da glória de Cristo, o qual é a imagem de Deus.” II Coríntios 4:3,4
a) Assim como a cegueira física a cegueira espiritual, torna o doente desqualificado, dependente, humilhado em suas ações, e limitado para fazer o que a perfeita visão poderia lhe proporcionar.


b) O texto afirma que Bartimeu era mendigo. A cegueira produz empobrecimento, marginaliza, segrega e discrimina, pois muitos evitam a compainhas de alguém que não tem visão.


Há vários níveis de mendicância: Física; Emocional; Afetiva; Psicológica; Espiritual.


II - O DIA EM QUE BARTIMEU ENCONTROU-SE COM JESUS


‘ouviu barulho da multidão que seguia a Jesus’. Mc 10:47


a) Bartimeu era cego, mas não surdo!


Esse comportamento foi que lhe deu a salvação e a cura dele.
Há os conformados que se habituaram a vida sem visão, sem sonhos, com a miséria e pobreza, se acham bem, convivem com a desgraça e acham tudo normal. Não querem ver e ainda se orgulham disso.
Muitos até dizem acreditar em Jesus; mas ficam tardando a sua decisão para mais tarde, quando forem mais velhos.


b) Atitude de bartimeu quando “ouviu” o tropel da multidão?

1. Mostrou que estava vivo e atento e preparado para mudança, ele perguntou: ‘o que era aquilo? Porque a multidão? A quem estava seguindo? Aonde iriam? Ele sentia que àquela multidão tinha algo de diferente. ’


2. Era tudo que Bartimeu esperava; uma esperança brotou em sua vida; ele sentia que tinha chegado o dia de ser curado, de ser liberto de seu mal; a oportunidade era única e singela. Era a ultima vez que Jesus passava por Jericó, e seguia para Jerusalém onde seria morto.


“Hoje, se ouvires a voz do Senhor, não endureçais os vossos corações”. Hb 3:15


c) Desejou mudança: ‘PÔS-SE A GRITAR’ (clamar).


“Jesus Filho de Davi tem Misericórdia de Mim” Mc.10:47

III - QUATRO FATOS ESTÃO ENVOLVIDOS NESTA DECLARAÇÃO:


1) Ele acreditou que Jesus podia salvá-lo.
2) Ele desejou Ter um encontro com Jesus.
3) Ele se humilhou perante muitos para estar com Jesus.
4) Ele Reconheceu sua dependência completa de Jesus.


IV - OBSTÁCULOS ENCONTRADOS E SUPERADOS


“E os que iam na frente o repreendiam para que se calasse; ele, porém, cada vez gritava mais…” Mc.10:48


a) Qual a multidão que quer te impedir hoje, de chegar até Jesus? Multidão do orgulho, preconceito, medo, pecado, tradições religiosas, das falsas amizades?
BARTIMEU CADA VEZ GRITAVA MAIS: “Filho de Davi, tem misericórdia de mim!!!”


b) Jesus sempre ouve o clamor do aflito e necessitado, mandou chamar Bartimeu até ele. 
“Parou Jesus e disse: Chamai-o. Chamaram, então, o cego, dizendo-lhe: Tem bom ânimo; levanta-te, ele te chama.” Marcos 10:49


V - A RESPOSTA DE BARTIMEU AO APELO DE JESUS


“Lançando de si a capa, levantou-se de um salto e foi ter com Jesus. Perguntou-lhe Jesus: Que queres que eu te faça? Respondeu o cego: Mestre, que eu torne a ver.” Marcos 10:50,51


a) Lançou de si a capa:


As muitas capas nos impedem de chegar a Jesus: Incredulidade; pecado; religiosidade; falsa felicidade; vício; prostituição; preconceito; tradição, etc.


• Ao ser chamado Bartimeu lançou fora a sua capa e com ela as limitações da cegueira de que era portador. Com este gesto ele abriu mão de seu patrimônio, de sua identidade e de seu instrumento de sobrevivência.


• A capa representava mais do que isto, ela representava a miserável vida de mendicância, de limitações, de impossibilidades de ver as suas necessidades supridas e os seus sonhos realizados. Bartimeu naquele momento viu em Jesus a solução de todos os seus problemas.


b) Foi ter com Jesus: Faz-se necessário ir até Jesus; romper os obstáculos; recebê-lo como Salvador; ter sua vida transformada e ser escrito no Livro da Vida do Cordeiro.


c) Entregou sua vida a Jesus e passou a segui-lo sendo seu discípulo. 


“Então, Jesus lhe disse: Vai, a tua fé te salvou. E imediatamente tornou a ver e seguia a Jesus estrada fora.” Marcos 10:52


Conclusão: 


Muitos estão como Bartimeu, à beira do caminho, cegos, desamparados, marginalizados, segregados. Queridos, vençam hoje os vários obstáculos e cheguem até Jesus e recebam dEle a salvação.

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

VOCÊ É “GOSPEL” OU CRISTÃO?





Por Thiago Ibrahim


Você sabe a diferença entre ser gospel e ser cristão?


A expressão gospel (que em inglês significa evangelho) está na moda no Brasil. Faz parte da identidade que muitos evangélicos assumiram e assinam embaixo. Mas será que ser gospel significa mesmo ser cristão ( que quer dizer aquele que é de Cristo)?


Esse termo faz parte de uma enxurrada de outros termos americanos que invadiram nossas igrejas e nossa teologia, e fizeram com que perdêssemos muito da nossa essência. Você pode achar que essa é apenas uma discussão semântica, mas te convido a continuar lendo, pra perceber a diferença entre os dois.


Abaixo, querido leitor, elenquei a diferença de compreensão do evangelho e da vida por parte do ensinamento gospel e do ensinamento reformado cristão. Acompanhe:


O gospel alcança o favor do Rei para possuir a terra;


O cristão busca a justiça do Reino e confia na provisão.


O gospel decreta/profetiza a vitória e busca o novo de Deus;


O cristão suporta as provações confiando que o Deus de sempre nunca o abandonará.


O gospel vive rompendo em fé e movendo o sobrenatural a seu favor;


O cristão alcança por meio da fé (dada por Deus) a salvação de sua alma e espera ser feita a vontade de Deus.


O gospel enxerga a Bíblia como um amuleto que o livrará de todos os males da vida (se aberta em Salmos 91, é claro);


O cristão tem a Bíblia como a única regra de fé e prática.


O gospel é dizimista;


O cristão é generoso.


O gospel jejua para chamar a atenção de Deus;


O cristão jejua como forma de servir e se humilhar.


O gospel defende o que o pastor dele fala;


O cristão defende aquilo que diz a Bíblia.


O gospel gosta de modinha;


O cristão mantém os valores do Reino.


O gospel acha que é filho do Rei, por isso merece o melhor;


O cristão o sabe que é um pecador e que o que tem é fruto da Graça.


O gospel busca no evangelho satisfazer seus interesses e ser abençoado;


O cristão abençoa o seu próximo e está pronto a abrir mão do seu próprio interesse em favor do irmão.


O gospel limpa o pé pra pisar no “altar” da “casa de Deus”.


O cristão faz de todo lugar um altar e de sua vida um sacrifício pra Deus.


O gospel almeja pisar na cabeça de seus inimigos;


O cristão dá a oferece a outra face perdoando e amando aos que lhe fazem mal.


O gospel busca o Reino de Deus e a sua justiça, pois assim receberá todas as coisas;


O cristão busca o Reino de Deus e a sua justiça confiando na provisão diária.


O gospel busca a Deus e espera receber;


O cristão busca a Deus e está pronto a servir.


O gospel suporta o irmão por causa do culto;


O cristão suporta o culto por causa do irmão.


E você, o que tem sido: GOSPEL ou um simples CRISTÃO? Pense nisso! Púlpito Cristão

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Vem aí o fashion Week Gospel


Fonte: g1



Comportadas', grifes evangélicas lucram com público segmentado   'direcionadas' evitam decotes, transparências e saias curtas.
'É preciso conhecer o público alvo', aconselha especialista.
Anay Cury

Em meio ao competitivo mercado da moda, a confecção de Fabrício Guimarães Pais tem visto sua produção crescer cerca de 20% a cada ano. O segredo do empresário foi encontrar o público certo.


“Depois que mudamos para moda evangélica, nosso faturamento aumentou de forma considerável”, diz Pais, diretor da Kauly Moda Evangélica, instalada no Brás, tradicional centro de compras da capital paulista, e que hoje fabrica 30 mil peças por mês e lança de 100 a 200 modelos diferentes em cada coleção.

"A gente conseguiu achar esse mercado, que é um mercado inovador, que muita gente procurava essa moda, mas que quase ninguém fabricava. Um pouco, acho, por medo. (...) Todo mundo tem um pouco de medo de fazer um foco só, direcionado, e a roupa não vender. No nosso caso, poderia ter dado tudo errado”, conta Pais.


Nas mãos dessas confecções brasileiras, o que poderia ser encarado como limitação se transforma em estímulo para criar peças cada vez mais modernas, sem deixar de obedecer às regras de vestimenta dos evangélicos, que, embora tenham algumas variações, dependendo da igreja, vetam calças, decotes e transparências. De acordo com os dados mais recentes do IBGE, com base no Censo de 2000, a população de evangélicos do país era de 26,18 milhões.

Outros empresários viram na necessidade da própria família uma oportunidade de negócio. Sabendo que a principal queixa das mulheres era encontrar roupas adequadas às exigências, mas com estilo, Laerte de Oliveira Tolentino entrou no ramo de moda evangélica e viu sua equipe crescer de 20 para 250 funcionários diretos e indiretos em dez anos. 



Dono das grifes de moda evangélica Applausos e Via Toletino, de Maringá, no interior do Paraná, o empresário agora tem planos de expandir seus negócios, melhorando seus pontos de venda, que hoje estão mais concentrados nas regiões Sul e Sudeste, e na qualidade dos produtos.

"A necessidade de segmentação vem se intensificando nos últimos anos. As mulheres evangélicas tinham muita dificuldade para conseguir roupas no estilo que precisavam e desejavam, porque a mulher evangélica também quer ficar bonita, na moda, quer frequentar os cultos bem vestidas. Ser vaidosa não é negativo”, diz Selma Felerico, coordenadora da pós-graduação na área de Comunicação da ESPM, especializada em estudos sobre o público feminino.


 A cantora Damares é um exemplo de evangélica que gosta de se vestir bem e estar na moda. 



"Meu estilo é clássico, mas diferente, com um toque pessoal. No meu caso, compro as roupas prontas ou mando fazer, dependendo da ocasião. Já até recebi umas propostas para lançar uma marca de roupas evangélicas e sapatos", conta.


Pensando nisso, Ivone Pizani Gonçalves abriu uma das primeiras confecções especializadas em moda evangélica, a Raje, que também fica na região do Brás. Evangélica, Ivone sempre trabalhou no ramo, costurando ou revendendo roupas, até decidir se especializar em moda feita especialmente para esse público.


“Hoje a gente tem equipe trabalhando, mas naquela época [perto dos anos 2000], era só eu que fazia tudo: criava, desenvolvia. Eu e meu filho. Nós começamos cortando uma quantidade bem pequena, sempre com um pouco de medo, mas depois ficamos muito surpresos. Foi espantosa a procura”, relata Ivone, que, no início, contava apenas com seus dois filhos e hoje, entre as equipes de venda, de criação, de corte e acabamento final emprega 30 pessoas diretamente.

 Na Raje Jeans, o carro chefe são as saias, que custam de R$ 39 a R$ 45 e recebem no tecido aplicações de muitos detalhes. “A moda evangélica não proíbe nada de acabamento que não seja escandaloso. Hoje, as moças evangélicas querem sempre estar dentro da moda. Podem estar discretas, mas com a cor da moda, por exemplo. Qualquer tipo de roupa que esteja sendo usada, que é lançado por estilista famoso, que está na mídia, pode ser usada, sem problema nenhum. Tudo é permitido desde que [ela] não esteja usando uma roupa muito curta, uma calça comprida, uma roupa sem manga e decotada”.


Na busca por estampas e cores que estarão nas lojas nas próximas estações, as equipes de estilistas das confecções viajam a feiras de moda em outros países e participam de todas as semanas de moda realizadas no Brasil.

Hoje, os três principais canais de venda das confecções evangélicas são lojas físicas, revenda e internet, cuja procura tem sido cada vez maior. 



“Segmentação é, sem dúvida, uma tendência, como vem sendo desde os anos 1980, na época em que surgiram as surf shops. O risco que se corre é quanto à administração dos negócios, saber onde você está investindo. Onde eu me comunico com meu público? Nesse caso das lojas de surf, a maioria quebrou por não ter sido bem administrada.”


Para os próximos anos, a coordenadora da pós em Comunicação da ESPM afirma que o universo infantil deverá ganhar mais atenção da moda evangélica. “Era uma coisa muito necessária [a moda evangélica]. Cresceu e vai continuar crescendo”, diz Selma.



Cada vez mais se seculariza o nome de Je$u$. 
Segundo o deputado Pr Cleiton Collins (PSC) “este  segmento representa uma boa fatia do mercado”. Grifos meus. "Transformamos o evangelho de  Cristo no gospel que representa consumo e satisfação. A indústria gospel fatura milhões para os barões da fé". Pense nisto.



sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

A ABUNDÂNCIA DE DEUS PARA NOSSA VIDA.






Jl.2:12-19."Agora, porém", declara o Senhor, "voltem-se para mim de todo o coração, com jejum, lamento e pranto. " Rasguem o coração, e não as vestes. Voltem-se para o Senhor, para o seu Deus, pois ele é misericordioso e compassivo, muito paciente e cheio de amor; arrepende-se, e não envia a desgraça. Talvez ele volte atrás, arrependa-se, e ao passar deixe uma bênção. Assim vocês poderão fazer ofertas de cereal e ofertas derramadas para o Senhor, o seu Deus. Toquem a trombeta em Sião, decretem jejum santo, convoquem uma assembléia sagrada. Reúnam o povo, consagrem a assembléia; ajuntem os anciãos, reúnam as crianças, aquelas que mamam no peito. Até os recém-casados devem deixar os seus aposentos.
Que os sacerdotes, que ministram perante o Senhor, chorem entre o pórtico do templo e o altar, orando: "Poupa o teu povo, Senhor. Não faças da tua herança motivo de zombaria e de piada entre as nações. Porque se haveria de dizer entre os povos: ‘Onde está o Deus deles? ’ " Então o Senhor mostrou zelo por sua terra e teve piedade do seu povo. O Senhor respondeu ao seu povo: "Estou lhes enviando trigo, vinho novo e azeite, o suficiente para satisfazê-los plenamente; nunca mais farei de vocês motivo de zombaria para as nações.


"Estou lhes enviando TRIGO, VINHO NOVO e AZEITE, o suficiente para satisfazê-los plenamente; nunca mais farei de vocês motivo de zombaria para as nações”.

O trigo, o mosto e o óleo, têm um grande significado para a igreja. Servem-nos de promessa de que poderemos ter uma vida abundante, alegre e consagrada.


Joel tem sido chamado de “o profeta do avivamento”. Ele compreendeu que o arrependimento sincero é a base da verdadeira espiritualidade. Quando o profeta Joel pregou suas mensagens, a situação econômica era desesperadora, em razão de um ataque de gafanhotos sem igual.


                I – VIVENDO UMA VIDA ABUNDANTE E NÃO DESFRUTANDO. 


O judeu tinha o costume, em momentos de profunda indignação, tristeza ou desespero, de rasgar as vestes explicitando assim seus sentimentos com relação ao fato que lhe causava emoção. Em hebraico “rasgar” é “qara” traz a idéia de partir ao meio, dilacerar; e a palavra “coração” é “lebab” que traz o entendimento de homem interior, mente, vontade, coração, alma, inteligência.


O que Deus quer dizer com “rasgai o vosso coração” é “quebrem, despedacem essa intenção maligna que existe dentro de vocês e voltem-se para mim”. Enfim, Deus está falando de conversão pura e simples, mudança de rumos a partir do coração, de dentro pra fora.
Muitos querem uma vida abundante, realizações e não entendem que a maior realização na vida do crente é a dedicação e o cuidado da obra de Deus. Sendo cada igreja uma agência do Reino do Céus. A falta desta visão revela a dureza dos corações cerrando os céus sob estes.


Ageu 1:2-11 "Assim diz o Senhor dos Exércitos: Este povo afirma: ‘Ainda não chegou o tempo de reconstruir a casa do Senhor’ ". Por isso, a palavra do Senhor veio novamente por meio do profeta Ageu: "Acaso é tempo de vocês morarem em casas de fino acabamento, enquanto a minha casa continua destruída? " Agora, assim diz o Senhor dos Exércitos: "Vejam aonde os seus caminhos os levaram. Vocês têm plantado muito, e colhido pouco. Vocês comem, mas não se fartam. Bebem, mas não se satisfazem. Vestem-se, mas não se aquecem. Aquele que recebe salário, recebe-o para colocá-lo numa bolsa furada". Assim diz o Senhor dos Exércitos: "Vejam aonde os seus caminhos os levaram! Subam o monte para trazer madeira. Construam o templo, para que eu me alegre e nele seja glorificado", diz o Senhor. "Vocês esperavam muito, mas, para surpresa de vocês, acabou sendo pouco. E o que vocês trouxeram para casa eu dissipei com um sopro. E por que fiz isso? ", pergunta o Senhor dos Exércitos. "Por causa do meu templo, que ainda está destruído, enquanto cada um de vocês se ocupa com a sua própria casa. Por isso, por causa de vocês, o céu reteu o orvalho e a terra deixou de dar o seu fruto. Provoquei uma seca nos campos e nos montes, que atingiu o trigo, o vinho, o azeite e tudo mais que a terra produz, e também os homens e o gado. O trabalho das mãos de vocês foi prejudicado".

                     II - OS QUATROS TIPOS DE GAFANHOTOS.


1º O GAFANHOTO CORTADOR (lagarta), O gafanhoto CORTADOR mora na lavoura e o agricultor fica desesperado tentando, expulsá-lo. mas é tudo em vão. A casa do CORTADOR É A LAVOURA. 

2º O GAFANHOTO MIGRADOR (locusta) O gafanhoto MIGRADOR é um tipo diferente de gafanhoto, ele já não mora na lavoura, mas voa em bandos, de lugar para lugar, agindo de surpresa, comendo tudo. 


3º O GAFANHOTO DEVORADOR (gafanhoto) O gafanhoto DEVORADOR, já é um tipo mais violento; quando ele chega na lavoura, o agricultor já nãopode mais vender o fruto (produto), porque já está tudo arrebentado, se sobra alguma coisa é de muito pouco valor para vender; este gafanhoto tem o poder de levar o agricultor à falência. 


4º O GAFANHOTO DESTRUIDOR (pulgão) O gafanhoto DESTRUIDOR é o bando que possui maior poder de extermínio, quando ele chega na lavoura ele arrasa cem por cento. Este gafanhoto não age apenas na lavoura, mas, também no agricultor, na sua casa, destruindo tudo o que pode, até provocando desastres terríveis.


II Cron. 7:14 E se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e buscar a minha face e se converter dos seus maus caminhos, então eu ouvirei dos céus, e perdoarei os seus pecados, e sararei a sua terra.

                          III – TRIGO SIGNIFICA O SUSTENTO.


Deus supre o seu povo em pelo menos em duas áreas.


1.1 No que for necessário para sua sobrevivência. Sl. 37:25 Fui moço, e agora sou velho; mas nunca vi desamparado o justo, nem a sua semente a mendigar o pão.


1.2 No que for necessário à vida espiritual. Sl.119: 116,117.Sustenta-me, segundo a tua promessa, e eu viverei; não permitas que se frustrem as minhas esperanças. Ampara-me, e estarei seguro; sempre estarei atento aos teus decretos.


     IV - O MOSTO É O VINHO EM FASE DE FERMENTAÇÃO. SIGNIFICA A ALEGRIA DO POVO DE DEUS.


2.1 A alegria que vem de deus é sobrenatural. Sl.4:7 Encheste o meu coração de alegria, alegria maior do que a daqueles que têm fartura de trigo e de vinho.


2.2 A Alegria que vem de Deus não depende das circintâncias. Jo.16:33


2.3 Porque o senhor nos fez grandes coisas. Sl.126:3 Sim, coisas grandiosas fez o Senhor por nós, por isso estamos alegres.


2.4 Porque somos povo de Deus. Sl.10:1-5 Aclamem o Senhor todos os habitantes da terra!
Prestem culto ao Senhor com alegria; entrem na sua presença com cânticos alegres.
Reconheçam que ele é o nosso Deus. Ele nos fez e somos dele: somos o seu povo, e rebanho do seu pastoreio. Entrem por suas portas com ações de graças, e em seus átrios, com louvor; dêem-lhe graças e bendigam o seu nome. Pois o Senhor é bom e o seu amor leal é eterno; a sua fidelidade permanece por todas as gerações.



2.5 Porque o nosso nome consta no livro da vida. Lc. 10:20


                  VI – O ÓLEO SIGNIFICA A UNÇÃO DO ESPÍRITO SANTO.

4.1 Para converter o perdido.
JO.16:8 Quando ele vier, convencerá o mundo do pecado, da justiça e do juízo. 


4.2 Dando Poder a Igreja. Lc.10:19 Eu lhes dei autoridade para pisarem sobre cobras e escorpiões, e sobre todo o poder do inimigo; nada lhes fará dano.


4.3 Dando Dons Espirituais. Hb. 2:4 Testificando também Deus com eles, por sinais, e milagres, e várias maravilhas e dons do Espírito Santo, distribuídos por sua vontade?
4.4 Desfazendo os laços do diabo. Is.45:2Eu irei adiante de você e aplainarei montes; derrubarei portas de bronze e romperei trancas de ferro.

CONCLUSÃO: 

A abundância na vida do crente passa pela conscientização do seu papel na agência do Reino de Deus, que só pode ser compreendido por uma real conversão. Sendo os Céus sua fonte inesgotável de alegria.

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

AS ARMAS DE DEUS

Finalmente, fortaleçam-se no Senhor e no seu forte poder.
Vistam toda a armadura de Deus, para poderem ficar firmes contra as ciladas do diabo,
pois a nossa luta não é contra pessoas, mas contra os poderes e autoridades, contra os dominadores deste mundo de trevas, contra as forças espirituais do mal nas regiões celestiais.
Por isso, vistam toda a armadura de Deus, para que possam resistir no dia mau e permanecer inabaláveis, depois de terem feito tudo.
Assim, mantenham-se firmes, cingindo-se com o cinto da verdade, vestindo a couraça da justiça
e tendo os pés calçados com a prontidão do evangelho da paz.
Além disso, usem o escudo da fé, com o qual vocês poderão apagar todas as setas inflamadas do Maligno.
Usem o capacete da salvação e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus.
Orem no Espírito em todas as ocasiões, com toda oração e súplica; tendo isso em mente, estejam atentos e perseverem na oração por todos os santos.



Para se FORTALECER no Senhor basta confiar (esperar) n’Ele, pois o salmista diz: "Esforçai-vos, e ele fortalecerá o vosso coração, vós todos que esperais no SENHOR" ( Sl 31:24 ).


Fortalecer no Senhor é um modo diferente de recomendar aos cristãos que descansem em Deus, ou seja, que confiem n’Ele.
A ação primária do diabo é manter o homem na ignorância acerca do poder contido na palavra de Deus. Somente a ignorância mantém o homem longe de Deus.


É pelo plantio da palavra de Deus no coração dos homens que ocorre o embate entre o reino das trevas e o reino da luz. Onde o diabo faz sua investida para arrancá-la ( Mt 13:4 ). As ações das aves, do sol, dos pedregais e dos espinhos são implacáveis.


O inferno não gosta de perder aquilo que conquistou, às vezes por gerações, famílias que vivem presas em um espírito de enfermidade, de loucura, de casamentos destruídos entre muitas outras coisas.
É IMPERATIVO que tomemos uma decisão JÁ. Muitos adiam na mente e no coração, relutam em decidir se continuam no mundo do qual Satanás é governante ou se fogem para a segurança de Deus.


Ilustração: O menino e o vaso - Certo dia enquanto brincava com um vaso muito valioso, um menino colocou a mão dentro dele e não conseguiu tirá-la. Seu pai tentou ajudá-lo, mas não teve êxito. Eles já estavam pensando em quebrar o vaso quando o pai disse: - Vamos, meu filho, faça mais uma tentativa. Abra a mão, estique os dedos da maneira como estou fazendo e puxe-a com força. Para sua surpresa, o menino disse: - Não posso, papai. Se eu esticar os dedos minha moeda vai cair dentro do vaso.


I - CINTO DA VERDADE


Área de Atuação: Nossas Emoções; Identificada por uma vida sinceridade genuína e sem falsidade.


“Estai, pois, firmes, tendo cingidos os vossos lombos com a verdade...” (Ef. 6:14) Cingir É O Mesmo Que Ajustar, Prender, Não Deixar Frouxo.


A primeira arma que Deus te deu para combater as fortalezas do inferno é a verdade, também conhecido pelo caminho mais difícil, pois a verdade nos protege em nossas emoções, este é um lugar muito sensível que o diabo geralmente tem feito muitos estragos.


A verdade sempre implica em transparência e esse preço muitos não querem pagar, a verdade é que ter honestidade.


A nossa emoção é um campo de batalha, onde o diabo coloca a maioria de suas fortalezas, onde ele chega a construir verdadeiros castelos de mágoa e rancor, de rebeldia, de inveja e ciúmes, de rejeição entre muitas outras doenças emocionais e espirituais.


Uma das maiores fortalezas do diabo em nossas vidas é o Cinto da Mentira que nos leva a Prisão das Emoções.
“Pelo que deixai a mentira e falai a verdade cada um com seu próximo pois somos membros uns dos outros” Ef. 4:25


II - COURAÇA DA JUSTIÇA


Área de Atuação: Coração; Identificado em nossa vida por uma atitude de Humildade e Quebrantamento.


“... e vestida a couraça da justiça.” (Ef. 6:14)


O lugar mais alto para se estar é aos pés de Jesus, e diante dessa ótica podemos dizer que o quebrantamento diante de Deus. pois quando temos um coração de pedra isso impede que possamos estar próximos de Deus.


“Você sabe por que o mar é tão grande? Porque ele teve a humildade de se colocar abaixo de todos os rios”. (Anônimo)


A arma do diabo contra sua vida tem nome e se chama Couraça de Orgulho e Soberba que é demonstrada através de um Coração duro.


“O fariseu, posto em pé orava consigo desta maneira: Ó Deus, graças te dou porque não sou como os demais homens, roubadores, injustos e adúlteros, nem como este cobrador de impostos” (Luc.18:11)
O orgulho nos Impede que ouvir a voz do Espírito Santo.


III - SANDÁLIAS DO EVANGELHO DA PAZ


Área de Atuação: Relacionamentos Pessoais; Identificado em sua vida pelo Perdão e Brandura.


“e tendo os pés calçados com a PRONTIDÃO do evangelho da paz. (Ef. 6:15)


A proteção para nossos pés é nossa capacidade de perdoar.


O diabo quer machucar os seus pés para que você não possa alcançar os sonhos de Deus para a sua vida.
Enquanto você não liberar perdão vai ficar preso em várias áreas de sua vida, pois haverá uma fortaleza de Satanás prendendo a sua vida e machucando seus pés para que você não ande para frente com os projetos de Deus em sua vida.


Perdão não é esquecimento, pois quando tentamos esquecer, descobrimos que não conseguimos.


Perdão é uma escolha, um ato da vontade e não um sentimento. Já que perdoar é algo que Deus requer daquele que é nascido de novo, ele vai nos dar todas as condições para praticá-lo. Perdoar é difícil porque choca com o nosso conceito de justiça.
Existe dentro de nós um forte senso de vingança por termos sofrido.


IV - ESCUDO DA FÉ.


Área de Atuação: Atitudes; Identificado em nossa vida pela coragem em ter confiança independente das circunstâncias.


“Além disso, usem o escudo da fé, com o qual vocês poderão apagar todas as setas inflamadas do Maligno”. (Ef. 6:16)


Essa arma é poderosa, pois é uma arma de defesa para apagar todos os dardos inflamados do diabo,


Esses dardos são jogados todos os dias em nossa vida através de palavras negativas, opressões malignas, acusações, desânimo, tristeza entre muitas outras setas do diabo em nossas vidas.


Abra mão da mediocridade de uma vida espiritual raquítica onde você se torna um dependente dos outros e não de Deus.
Use teu escudo, pare de viver essa vida pobre e sofrida, Deus não te criou para andar se arrastando pelo chão, você foi criado por Deus para viver acima das circunstâncias, onde a flechas do diabo não podem mais te alcançar.


V - CAPACETE DA SALVAÇÃO


Área de atuação: Pensamentos; Identificado em nossa vida por pensamentos cativos a Deus e uma mente transformada pelo Espírito Santo.


“...Usem o capacete da salvação...” (Ef. 6:17)


Os pensamentos de uma pessoa determinam aquilo que ela realmente é.
O capacete da salvação é uma arma de proteção que impede que setas e tentações entrem em nossa mente e nela façam seus ninhos.
Sua mente é um campo de batalha entre seus piores inimigos: O mundo, a carne e o diabo. Nela você conquistará suas maiores vitórias, mas também nela você poderá ter suas piores derrotas.


VI - ESPADA DO ESPÍRITO


Área de Atuação: Nossas Palavras; Identificado em nossa vida através de palavras de fé e declarações de acordo com a vontade de Deus.


“... e a espada do Espírito que é a palavra de Deus” (Ef. 6:17)


Esta é a arma mais poderosa que você tem contra as fortalezas do diabo. É a espada do Espírito, a palavra de Deus pronunciada tem um poder devastador no Reino espiritual, tem a capacidade de anular e destruir qualquer coisa que venha contra a tua vida.


A Espada do Espírito tem o poder de atacar ao diabo, pois é uma arma de ataque e não de defesa, as outras armas que falamos aqui neste livro são todas armas de defesa, mas a espada do Espírito é uma arma de ataque.
Abra a tua boca e profetize paz, alegria, unção e intimidade com Deus. Pegue a sua espada e saia gritando para todos os lados benção sobre cada família da terra.


E você pode sim confrontar as trevas através de suas palavra de ordem contra principados e potestade, mas a melhor forma de confrontá-los é abençoando e falando aquilo que está no coração de Deus.

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

Faça a Diferença





Por Araripe Gurgel


Fazer a diferença não é simplesmente ser conhecido como "evangélico": fazer a diferença é ter a postura de um cristão que anda com Deus e que reflete esse andar nos seus relacionamentos.


Como Igreja, temos a missão de fazer a diferença na vida das pessoas, de marcar a vida dos nossos familiares, dos nossos colegas de trabalho, enfim da nossa sociedade.


Para termos igrejas fortes, abençoadas, vencendo o poder do pecado e do inimigo é preciso ter crentes fortes, vigorosos, dispostos a pagar o preço pela santificação de suas vidas.


A santificação na vida do cristão não vem ao acaso. E também não é coletiva, pelo contrário, é individual. É gradual, é constante, é a escada em direção ao céu.


A todos nós foi dada a ordem de ser santos, "porque Ele é santo". (I Ped 1:16). Portanto, quem não está buscando a santificação para a sua vida está deixando de cumprir a Palavra de Deus.


É necessário ter um coração voluntário para buscar "as coisas de cima" (Col 3:1) e o "reino de Deus em primeiro lugar" (Mat 6:33), deixando a "Palavra de Cristo habitar em nós abundantemente" (Col 3:10), "perseverando em oração, velando com ações de graças". (Col 4:2).


Será que estamos fazendo a diferença onde Deus nos colocou? E se estamos, que tipo de diferença estamos fazendo? Jesus nos chamou para fazer diferença.


A Bíblia nos fala da importância do sal, mostrando-nos a sua função detemperar, preservar e limpar (Levítico 2:13; Juízes 9:45; Jó 6:6; Ezequiel 16:4). Sabemos que o sal é extremamente necessário para a conservação dos alimentos e um elemento importante em nossa alimentação.


Jesus disse: "vocês são o sal da terra", (v.13) quer dizer, somos o sal na vida das pessoas. Jesus compara a postura dos discípulos ao sal. Mas será que o nosso mundo precisa de sal (cristãos)? Com certeza, pois a cada dia que passa os níveis de violência aumentam, a quantidade de famintos aumenta, a venda e o consumo de drogas alcançam números espantosos, a cada dia as famílias estão se deteriorando, os níveis de corrupção, prostituição, seqüestros e destruição da natureza alcançam números recordes.


Se estamos aqui, constituídos como Igreja, reunidos para louvar e adorar ao Senhor, para estudar Sua Palavra, foi porque os cristãos que viveram antes de nós fizeram a diferença em sua geração, sendo sal da terra, influenciando a vida de pessoas. Como os apóstolos, os heróis da fé, e uma multidão de anônimos.


Jesus afirma que o sal que não salga, que não tempera, não serve para nada, exceto para ser jogado fora e pisado pelos homens (Mt 5:13). Os cristãos que não salgam caem no esquecimento da história e não são lembrados pelos homens e nem por Deus. O cristão deve salgar e não perder o seu poder de temperar (Mc 9:50; Lc 14:34; Cl 4:6).


Muitos cristãos estão vivendo um cristianismo insípido, de fachada, que não sai do seu gueto, que não causa impacto em sua geração. Causar impacto, fazer a diferença, salgar, não é simplesmente fazer grandes eventos, mas é misturarmo-nos no meio daqueles que se estão perdendo no pecado e necessitando de vida
(Mt 9:12).


"A terra era sem forma e vazia; e havia trevas sobre a face do abismo;|... e o Espírito de Deus se movia sobre a face das águas. E disse Deus: haja luz. E houve luz." (Gn 1:1-3). A primeira coisa que Deus traz à existência é a luz. A luz é a representação básica da glória de Deus.


O mundo jaz no maligno, por causa dessa situação: a humanidade vive em trevas. "O povo que vivia em trevas viu uma grande luz" (Mt 4:16). Jesus é essa grande luz: ele começa a pregar a vinda do reino dos céus.


Somos chamados para fazer a diferença, para levar a sério o fato de que somos filhos da luz, na certeza de que nossa vida expõe toda obra das trevas perante as pessoas, constrangendo o pecador a uma nova vida, a despertar do sono (Ef 5:8-4).


A vida cristã deve ser vista. Jesus quer que as pessoas vejam as nossas obras. Quando as pessoas olham para nossas vidas e percebem que somos diferentes, que somos sal da terra e luz do mundo, através disso, elas podem glorificar a Deus e se converter a Cristo. Paulo nos orienta a fazer tudo para a glória de Deus. (1 Co 10:31).


Muitos dizem : "eu tenho procurado ser um bom cristão, vou sempre à igreja, leio regularmente a Bíblia, sou dizimista, mas a minha vida espiritual é completamente cheia de altos e baixos. Não sei o por quê.“


Vida santificada é diferente de vida religiosa. Não há uma "receita" ou "prato feito" para se conseguir a santificação ou uma vida de mais altos do que de baixos. Fique sabendo, porém, que há uma luz no fim do túnel para aqueles que anseiam por reverter essa situação.


A partir do momento em que você reconhecer que precisa ter uma vida mais dedicada ao Reino de Deus, buscar a Pessoa de Deus, pedir misericórdia, confessar os seus pecados, e apresentar-se diante de Deus com pureza e retidão de coração, o seu estado começa a mudar. Isto é promessa!


Cristianismo é sinônimo de uma vida que faz a diferença, seja no escritório, no exercício da profissão, nos nossos relacionamentos (família, amigos, desconhecidos). Fomos resgatados das trevas, da morte, do pecado, para sermos sal da terra e luz do mundo, sendo tudo para gloria de Deus .


Em que estado você se encontra agora? Há o desejo das "coisas de cima" em seu coração? A Palavra de Cristo está abundando em sua vida? Tem perseverado em orações, velando com ações de graças? Ou está vivendo o sobe/desce da vida religiosa, sem a verdadeira santificação?


Busque a santificação, faça a diferença neste mundo tenebroso, pois com toda certeza, essa é à vontade do Senhor para sua vida.