quarta-feira, 30 de junho de 2010

Não Precisamos de Um Papa Evangélico



Por Renato Vargens

A palavra Papa vem do grego pappas, do latim papa que significa pai. Ele é considerado pelos católicos romanos como o representante (Vigário) de Cristo na Terra, sucessor de Pedro no governo da Igreja. Para os católicos o Papa possui autoridade sobre todos os fiéis e sobre toda a hierarquia eclesiástica, incluindo o Concilio Ecumênico. Segundo a Igreja romana ele é infalível quando define alguma verdade “ex-cathedra” (do trono), em assuntos de fé e de moral.

Caro leitor, uma das principais marcas do protestantismo foi refutar o Papa e suas heresias, dentre estas de que o líder católico é o vigário de Cristo e que possui autoridade sobre todos os fiéis. No entanto, diferentemente do pensamento protestante, um grupo neopentecostal ligado ao movimento celular, reconheceu publicamente o "apóstolo" Renê Terra Nova como Patriarca apóstolico, reconduzindo parte dos evangélicos a velha estrutura papal.

Isto posto, afirmo veementemente que a igreja de Cristo não precisa de um papa. Ela não precisa de ninguém que se interponha entre os crentes e Deus, ela não necessita de um sacerdote especial, não precisa deste tipo de cobertura funesta, onde "apóstolos, papas e patriarcas" impõem sobre os fiéis, suas vontades, caprichos e decisões. Ela não necessita de um clericalismo manipulador, nem tampouco do surgimento de uma nova hierarquia apostólica que em detrimento da vontade "papal", anulam as Escrituras.

Prezado amigo, as Escrituras nos bastam, e elas em nenhum momento referendam o estabelecimento de papas e patriarcas. A Bíblia nos ensina que todos os crentes em Jesus são sacerdotes e que não existe base ou fundamento para a existência de patriarcas especiais na comunidade dos santos.

Diante do exposto, eu fico com a Palavra de Deus afirmando sem a menor sombra de dúvidas de que não precisamos de um papa evangélico.

Pense nisso!

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Uma Igreja Com Propósito


Prezados irmãos, graça e paz.

“Uma pesquisa ligeira daria conta de que a Bíblia, como Palavra de Deus: inspirada, inerrante, carta magna, manual e regra de fé e prática, foi pulverizada na fumaça e na poeira pós-modernas”.


Vemos hoje a adulteração da doutrina Arminiana, conceito que tínhamos do livre arbítrio – Jacobus Arminius (1560-1609); para o Neoarminianismo, conceito este que viola o livre arbítrio, o sacrifício de Cristo, suas promessas. Ridicularizando a Graça, algo exterminado de nossas mensagens, o Novo Testamento tem sido violentado por doutrinas e conceitos do Velho Testamento que ferem o principio da institucionalização da Igreja Cristã. Tornando o evangelho de hoje numa teia sem fim de heresias e enganos.

Em decorrência disso, elegem-se, de quando em quando, aqui, ali e alhures, livros de certos astros, para substituírem a Palavra de Deus. Sirvam de exemplos, os que seguem: Pensamento positivo – Norman Vicent Peale; Bom dia Espírito Santo – Benny Hinn; Oração de guerra - Peter Wagner; Igreja com propósitos – Rick Warren; Sonha e ganharás o mundo - César Castellanos.

Além disso, doutrinas e discursos sobre mentalização total, fé total, saúde total, sucesso total, prosperidade total, crescimento total, ministério total, sabedoria total, inteligência total de nomes como Phineas Quimby, Oral Robert, Rex Humbard, Keneth Hagin, Jim Baker (antes da queda e restauração), Bill Hybels, Mike Murdock, e tantos e tantos outros de lá e de cá. São muitas coisas! Muitas idéias, muitas doutrinas!... É mentor para cá, é mentor para lá; é facilitador de cá, é facilitador de lá; é mentorização aqui, é mentorização lá; é encontro tremendo lá, é encontro tremendo aqui...

Creio que Deus concede a seus servos a estratégia específica para cada lugar, ocasião e conjunto de pessoas. Muito do descrito no livro consiste em princípios da administração empresarial, de aplicação útil e positiva para a Igreja-empresa, igual a que possuímos hoje no Brasil, com roupagem "espiritual".

O problema vem de se achar que a ferramenta do Dr. Warren é a "solução final", o instrumento mágico que resolverá todos os problemas de nossas Igrejas locais. Tal visão míope frustra a muitos pastores, mas não é exclusividade do livro "igreja com propósitos", também acontece na "explosão das células", dos chamados “retiros espirituais”- mais conhecidos como encontro com Deus. Onde há regressão e outros besteiróis. Creio que Igrejas bem administradas crescem. Para isso, os seus líderes devem estar com o coração à disposição do Espírito Santo para serem orientados em qual estratégia usar para cada contexto. Também devem ter cuidado em, quando forem bem-sucedidos, não usarem um "marketing barato" divulgando a estratégia que Deus deu para um contexto específico mais que o Evangelho e passando a ver o mundo de uma maneira maniquesista (os que têm ou não "a revelação final", mas antes de tudo respeitar a soberania de Deus que usa maneiras diversas para cumprir seus desígnios.

"Agora, a Igreja Corpo de Cristo, sem placa, sem nome e sem dono continua correndo a carreira que lhe está “proposta, olhando para Jesus, autor e consumador da fé...”

Cristãos, por favor, Leiam a Bíblia!

domingo, 27 de junho de 2010

O Mentiroso do Rick Warren

Rick Warren



Rick Warren é pastor fundador da Saddle Back Church em Lake Forest, Califórnia desde 1980. Atualmente a Saddle Back Church recebe mais de 15 mil pessoas nos fins de semana, sendo a segunda igreja mais freqüentada dos Estados Unidos e a que mais cresceu nos últimos três anos.

Rick Warren, filho de Jimmy e Dot Warren e nasceu em São José, Califórnia, em 1954. Seu pai foi um ministro batista, sua mãe uma bibliotecária numa escola secundária. Warren é casado com Elizabeth K. Warren (Kay) há trinta anos. Eles têm três filhos adultos (Amy, Josh and Matthew) e três netos.

Em São José, Califórnia, obteve o bacharelado na Universidade Batista da Califórnia, o Mestrado em Teologia no Seminário Teológico Southwestern e em 1979 concluiu o doutorado em Ministério no Seminário Teológico Fuller.

Autor de vários livros e famoso pelo best-seller “Uma Vida com Propósitos”, que pré-vendeu 500 mil cópias antes de ser lançado. Com mais de um milhão de cópias distribuídas pelo mundo, o livro foi publicado em dezessete idiomas.

Não há sombra de dúvidas de que Rick Warren, 53 anos, é o mais influente líder evangélico dos Estados Unidos em nossos dias. Em 2005, uma matéria de capa da revista americana semanal Times (edição de 7 de fevereiro de 2005) apontou os 25 evangélicos mais influentes nos EUA e Warren estava no topo da lista. A matéria chegou ao ponto de asseverar que Warren “será o sucessor do idoso pastor Billy Graham para o papel de ministro da América”. A Newsweek, publicação americana de igual respeito, o considerou recentemente uma das 15 pessoas mais influentes nos Estados Unidos.

A igreja liderada por Warren é um fenômeno de crescimento (cerca de 30 mil membros em pouco mais de 20 anos de existência) e seu livro “Uma vida com propósito”, um fenômeno de vendas. Foram 25 milhões de exemplares vendidos desse único livro em apenas cinco anos, e isso só nos EUA. Nenhum outro livro evangélico da História vendeu mais em tão pouco tempo do que esse livro.

Rick Warren associou-se a um místico de Nova Era para ajudá-lo em seu programa de treinamento de líderes na Igreja da Comunidade de Saddleback.

Um dos pontos-chave de ênfase na "Igreja com Propósitos" é sua natureza "sensível ao buscador". Em outras palavras, é dada tal ênfase em "atender às necessidades das pessoas" que gente de todas as classes e segmentos sociais estão se encaminhando para esse tipo de igreja. Dezenas de milhares de igrejas de denominações tradicionais estão adotando esse programa, porque ele ajuda a atrair mais pessoas às igrejas!

E por que não atrairia as pessoas assim? Afirmando ser cristão e escrevendo em uma linguagem cristã, o movimento "Orientado por Propósitos" leva as pessoas a acreditarem que receberam a Jesus Cristo e que irão para o céu, repetindo uma oração que deixa de lado a noção do pecado individual inerente, o arrependimento dos pecados e a expiação pelo sangue de Jesus Cristo derramado na cruz.

Essa oração da salvação leva a pessoa a dizer: "Jesus, em ti eu creio e te recebo." (Uma Vida com Propósitos", pág. 53).

Milhões de pessoas estão comprando esse "outro evangelho", acreditando que estão salvas e indo para o céu! Quando comparecerem diante do Grande Trono Branco do Julgamento, perceberão, tarde demais, que foram enganadas e estão prestes a serem lançadas no lago de fogo por toda a eternidade.

O fato triste que torna essa "Oração de Salvação" inútil é que ela não força a pessoa a confrontar sua natureza pecaminosa inerente, nem requer que sejam levadas ao verdadeiro arrependimento (o que significa dar uma volta de 180 graus em sua vida), e não requer que o penitente confie plenamente no sacrifício de Jesus na cruz. Sem que esses elementos sejam corretamente tratados e aceitos pelo pecador, a salvação não é possível.

Portanto, sob o disfarce de "atender às necessidades das pessoas, e equipar os santos, assistindo os oprimidos e destituídos", o Movimento Igreja com Propósitos está na verdade negando aos seus seguidores uma das maiores necessidades do ser humano — sua salvação eterna! Saber que você é salvo, que está no caminho para o céu e que nunca terá de enfrentar seus pecados na eternidade, é o conhecimento que produz uma profunda alegria no coração do verdadeiro salvo.

Rick Warren na verdade fala sobre como se livrar dos "resistentes" ao seu programa "Orientado por Propósitos"! Em vez de tratar os dissidentes com amor e respeito, ele simplesmente advoga que uma igreja que esteja se convertendo para esse programa remova essas pessoas do rol de membros. A seguir estão alguns dos frutos específicos que James Sundquist revelou que estão fluindo desse plano draconiano.

"Enquanto Rick Warren está se preparando para treinar um bilhão de pessoas, sem que muitos saibam, ele também se associou com a Nova Era e o promotor da contemplação Ken Blanchard, já há algum tempo. De acordo com uma nova biografia de Rick Warren, A Life With Purpose, escrito por George Maier, Rick Warren solicitou os serviços de Ken Blanchard para ajudá-lo no treinamento de líderes: "Rick pega os melhores e os mais famosos para ajudá-lo a treinar os líderes de igrejas para serem como Jesus. Ele contratou Ken Blanchard... para vir a Saddleback e ajudar a treinar as pessoas a serem líderes mais eficientes". [pág. 193].

O sucesso de Rick Warren e de seu livro “Uma Igreja com Propósitos” é o sucesso do sucesso! É o sucesso de ter “no sucesso” um propósito de vida pessoal e ministerial. O sucesso que faz sucesso entre as pessoas hoje não é o da “obediência da fé” (Rm 1.5), nem o do “tomar a cruz” (Mt 16.24).

O sucesso que hoje se idolatra não é como o proposto no Salmo 1, em que o prazer está na “instrução do Senhor” e não em técnicas empresariais. O sucesso que faz sucesso hoje nas igrejas é o segundo os padrões mundanos de nosso tempo, em que as relações são mediadas pelo mercado. Esta idéia contemporânea de sucesso está implícita nas estratégias aplicadas ao crescimento de igrejas, das quais se pode inferir uma alta consideração por fama, prestígio, tamanho, enriquecimento e poder.

Igrejas e autores como Rick Warren escondem esse desejo mundano de sucesso por trás de uma linguagem aparentemente piedosa. Tenhamos a coragem de realizar uma autocrítica que nos permita verificar se esse caminho é o ideal, e até mesmo apropriado para nós.

O que Warren propõe é a teologia da prosperidade, só que aplicada às instituições eclesiásticas, em vez de aplicada a indivíduos. É o crescimento numérico e financeiro do ministério que evidencia a bênção divina. Warren acaba por despertar, como um subproduto inconsciente, tudo aquilo que há de pior nos pastores: a vaidade, a cobiça, o amor ao prestígio, ao dinheiro e ao poder.É o crescimento numérico e financeiro do ministério que evidencia a bênção divina.

Warren acaba por despertar, como um subproduto inconsciente, tudo aquilo que há de pior nos pastores: a vaidade, a cobiça, o amor ao prestígio, ao dinheiro e ao poder.Uma igreja cristã não é uma instituição qualquer que visa o crescimento e a maximização dos lucros. Uma empresa secular deveria ter vocação social, mas busca sua perpetuação como finalidade. Isso também é verdade acerca de muitas igrejas que abandonaram os princípios éticos reformados do trabalho: sentido de vocação, austeridade em vez de ostentação e, acima de tudo, honestidade, em troca dos valores da sociedade de mercado e das estratégias de crescimento das empresas seculares.

O que Warren propõe, entre outras estratégias mercadológicas, é a execução proposital de um processo de homogeneização: a igreja que pretende crescer deve escolher uma fatia do mercado: escolher se será igreja de ricos ou de pobres, de cultos ou de incultos, voltada para uma etnia específica, e seus cultos devem agradar a um público específico. Os ricos não terão de passar pela humilhação de se sentarem com pobres, e não serão forçados a admitir que, em Cristo, somos todos iguais. Tampouco os cultos terão de partir o pão com os analfabetos, no sagrado nivelamento do evangelho. Poupemo-los desses constrangimentos!

A homogeneização é um processo de especialização, de encontrar um “público-alvo” ao qual será possível satisfazer mais facilmente. Parece, a princípio, uma boa estratégia de evangelização. E funciona! Está, entretanto, de acordo com os princípios da ética cristã e com os propósitos de Deus? Não seria melhor sacrificar o sucesso no altar do Senhor?

Fonte: www.saddleback.com/ http://www.espada.eti.br/n2030.asp/ http://www.ultimato.com.br

quinta-feira, 24 de junho de 2010

Liturgia do Terror


Eder Barbosa de Melo


Durante anos da minha vida fui legalista, deixei-me ludibriar pelo coronelismo sutil eclesiástico, fui, por alguns momentos, marionete de lideranças empreendedoras, abri mão de algumas convicções em virtude de alcançar uma verdade absoluta.

Ingênuo, esforçava-me para se manter digno, uniforme e disposto a me consumir por inteiro em favor do que eu julgava ser uma obrigação do Reino de Deus. Meu desejo de colocar a mão no arado, levou-me a conviver com muitos líderes, e logo pude perceber que os bastidores das igrejas me reservavam surpresas desagradáveis.

Para desgosto alheio, desde o início da caminhada ansiava devorar a Bíblia. Li quase toda, e com o tempo, fui conhecendo as suas verdades santas e libertadoras, estas foram me lapidando, ensinando-me a genuína essência de santidade.

Percebia, mas não queria acreditar que o empreendedorismo ali buscava poder temporal, e que as “verdades absolutas” eram relativizadas, deturpadas pelo farisaísmo político.

Quando consegui me desvencilhar das teias da religiosidade, fui amaldiçoado, caluniado e perseguido. Esforço vão. Não voltaria atrás, destruí a ponte; Einstein ensina que a mente que se abre a uma nova idéia não voltará ao seu tamanho anterior.

Mas tais experiências me deixaram cicatrizes na alma. Há muitas desventuras em minha caminhada cristã que preferia esquecer, no entanto, confesso que, hoje, posso enxergar e agradecer por um propósito maior do meu Senhor em minha vida. Vivo unicamente pela graça. Alguns questionamentos insistem em me atravancar, mas me esforço para ser guiado pela fé e não pelas aparências.

Por que tantos cristãos ainda se submetem ao jugo das pseudo-lideranças? Essa questão me faz lembrar o enredo de um filme do diretor M. Night Shyamalan, A Vila (The Vilage), de 2004. Bem arquitetada, a trama fala sobre uma comunidade que vive reclusa num pequeno vilarejo, liderados por uma espécie de assembléia, que tomava as decisões.

Frequentemente, eram assolados por demônios, dos quais nem podiam citar o nome, conhecidos como “aqueles que não mencionamos”. Todos eram obrigados a se esconder, num clima de suspense total, eram noites de pavor.

O desfecho da história é surpreendente, nos incita a repensar sobre a possibilidade de vivermos uma grande farsa. Pior: revela que muitas vezes, para sustentar nossas falácias, somos capazes de promover o terror. Somos capazes de acreditar nas próprias mentiras. Somos capazes de exceder todos os limites.

Os justos líderes intencionavam apenas poupá-los das tragédias da vida. Mas como fugir do inevitável? Como sustentar um paradigma cujo alicerce é o medo...

É lastimável perceber que muitas igrejas se edificam promovendo uma espécie de terrorismo espiritual e moral. Cristãos que demonizam tudo em sua sociedade e cultura, instruídos por parasitas, que conhecem a verdade, mas subjugam o povo com seus dogmas desprezíveis e sua espiritualidade infame, promovendo o pânico.

Minhas frustrações, não me destruíram, nem me tornaram insubmisso. Me fizeram repensar a minha fé, aumentaram minhas utopias e minhas responsabilidades. Quando torno essa experiência pública, sei que poderá servir de embaraço aos neófitos, mas também de consolo para quem deseja viver para Deus, ou já vivenciou situações parecidas. Quero simplificar!

Há cristãos sinceros, líderes amorosos, comunidades que são como família.

No filme, era cego guiando outro cego, literalmente. Mas tinha gente que enxergava com o coração... Jean-Paul Sartre, escritor francês, já disse que "o inferno são os outros", mas muitas vezes nossos inimigos somos nós mesmos, nossos fantasmas nos atormentam porque têm a nossa permissão – e até gostamos.

Quero manter distância da espiritualidade do caos, me permitirei guiar pelas veredas da justiça, quero ter minha fé aperfeiçoada, também não quero correr tanto em vão. Amarei a Palavra do Senhor. Continuarei servindo a Deus com intensidade e amor.

“O Senhor é a minha luz e a minha salvação; a quem temerei? O Senhor é a força da minha vida; de quem me recearei? Quando os malvados, meus adversários e meus inimigos, se chegaram contra mim, para comerem as minhas carnes, tropeçaram e caíram. Ainda que um exército me cercasse, o meu coração não temeria...”. Salmos 27:1-3a

segunda-feira, 21 de junho de 2010

E se o sistema eclesiástico, como conhecemos, morresse?


Alan Brizotti


É um processo natural da vida: tudo que nasce, morre. Elienai Cabral Jr. em seu ótimo livro "Salvos da Perfeição" (Editora Ultimato), escreveu: "Se Deus se esvaziou sendo Deus, como recusar o esvaziamento de nossas instituições, pretensas divindades? Se quem é escolheu deixar de ser, nós que não somos que outra opção mais legítima podemos ter?" Será que não está na hora desse sistema eclesiástico, como conhecemos, morrer?

O que vemos do sistema eclesiástico hoje é nocivo, enfermo, perigoso e triste. Entendo por "sistema eclesiástico" esse híbrido de igreja/empresa que violenta o bolso e a alma dos pobres. Essa prost-instituição que assume para si prerrogativas divinas para mandar no imaginário coletivo. "Sistema eclesiástico" é o corpo sem alma, a organização sem organismo, o templo sem igreja, a massa sem rosto, o cristianismo sem Cristo.

Dia desses fiquei lutando com uma ideia estranha que assaltou minha mente: você já imaginou o que aconteceria se Deus enviasse um avivamento dentro da igreja católica? Pergunto: o que impede Deus de "esquecer" tudo isso que chamamos de "igreja" e levantar outra expressão de fé? Ele já fez isso na história. Lembre-se que Israel passou por isso. Acredito piamente que toda essa babel eclesiástica nada mais é, senão Deus babelizando outra vez.

Se esse "sistema eclesiástico" morresse, Deus jamais ficaria sem testemunho na história. Ele não é refém da igreja. O que Deus procura - ainda - são os verdadeiros adoradores (Jo. 4. 23). Deus não procura gerentes divinos, nem mágicos da religião de poder e mídia, mas um povo humilde, digno, feliz. Um povo que, institucionalizado ou não, possui compromisso com o Deus de toda a verdade.

Lembre-se, Deus não tem compromisso com institucionalismos desalmados, nem com esquemas, sistemas e programas - Deus tem compromisso com gente, de carne e osso, transformando o chão da história. Não sei o que Deus irá fazer, pois sei que enquanto humanos, precisamos de associações, somos seres da coletividade, contudo sei que esse sistema que aí está, faliu.

A única certeza feliz que tenho é que sempre que Deus babeliza, a história muda para melhor.

segunda-feira, 14 de junho de 2010

Liberalismo e Teologia Relacional: O Evangelho dos Bebês Chorões


Desculpa por destruir o seu patriotismo hipócrita que ressurge a cada quatro anos, mas há algo que nem a copa do mundo consegue disfarçar: O Brasil é o maior depósito de sucata teológica do mundo. Tudo o que não funciona nos países de primeiro mundo é trazido, adaptado e aplicado aqui na república dos bananas.

Uma das mais recentes porcarias importadas para o nosso país se chama Teologia Liberal. Mas, o que é essa tal de “Teologia Liberal”? Bem, trocando miúdos, podemos dizer que teologia liberal é um movimento teológico com raízes no século XVIII, que mescla doutrina bíblica com filosofia e ciências sociais, propondo uma exegese subjetiva e a relativização do texto sagrado.

Há algum tempo atrás, uns pirados começaram a sobrepor-se à autoridade das Escrituras. Um destes caras, chamado Rudolf Bultmann, disse que é impossível interpretar um texto sem pressuposições, então ele passou a interpretar a bíblia à luz das suas crenças pessoais. Como neste mundo heresia se propaga como mato (e o diabo também dá uma mãozinha neste processo), um monte de babões com vontade de aparecer acompanhou o Bultmann na sua loucura, e logo a coisa se espalhou.

Permita-me um parêntesis, pois quero te explicar o quanto a interpretação do senhor Bultmann e dos seus colegas liberais - tanto dos seus antecessores, como dos seus sucessores - é absurda:

Imagine que você um dia escreva um livro, contando uma história que você considera muito importante, e falando acerca das suas crenças. Digamos que eu receba o seu livro, contando a sua história, e comece a interpretá-lo à luz da minha vida, das minhas crenças e da minha história. O que você acharia disso? Já te imagino dizendo: “Ei, espera aí: Não foi isso que eu disse!”, ao que eu ia responder: “Não importa o que você disse, mas o que eu penso que você deveria dizer”. Seria uma loucura!

Feito este parêntesis, volto aos trilhos para dizer que nenhuma interpretação de texto pode ser mais burra e ao mesmo tempo mais arrogante que as ideias dos teólogos liberais. Ora, o seu texto não deve ser interpretado de acordo com as minhas crenças e minhas ideias, e sim de acordo com as crenças e ideias do autor. E não foi no seminário que aprendi isso, mas nas aulas de língua portuguesa e literatura do ensino fundamental. Gente, isso é óbvio demais!

Porém, apareceram no cenário teológico brasileiro uns caras pirados que querem interpretar a bíblia a luz das suas crenças, e que negam (ou na melhor das hipóteses, reinterpretam) o sentido do pecado, da salvação, da vida eterna em Cristo, e alguns chegam a negar a morte vicária (morte pelos pecados) de Jesus, bem como o seu nascimento virginal.

Alguns destes caras, com seus corações dominados por pressupostos mundanos, praticam uma exegese afeminada e começam a chamar Deus de mãe! Segundo eles, a paternidade de Deus é o reflexo de um principio machista que predomina nas culturas antigas, mas agora, os suprassumos da intelectualidade pós moderna, pastores fracassados que abdicaram da teologia bíblica em virtude de seus pecados e que agora ficam posando de filósofos existencialistas quando na verdade sequer conhecem a obra de Sartre ou Kiekgaard, bagunçam ainda mais o coreto evangélico nacional, pregando uma teologia do Deus “maricas”.

Sinceramente, creio que alguns pastores ao invés da “Água Branca”, andam tomando água turva nas fontes seculares do paganismo pós-moderno, e na tentativa de ser relevantes, acabam pagando de palhaços aos olhos de quem tem o mínimo de conhecimento teológico-filosófico e um pouquinho de discernimento. Outro, ao invés de dirigir os pecadores à Casa de Misericórdia (pois este é o significado da palavra “Betesda”), ensina as pessoas a confiarem num Deus fracassado e trapalhão que há muito tempo atrás perdeu as rédeas do Cosmos e agora deposita toda a sua fé em gente miserável e pecadora como nós. Sim, já não é o homem que tem que depositar sua fé em Deus, mas Deus é que tem que acreditar no homem.

Percebeu o grau da loucura destes pastores?

Seus sermões trazem um pouco de tudo, porque eles são bem ecléticos em suas crenças. De um modo inexplicável, estes dois pastores conseguem reunir o que há de pior em cada sistema teológico, bater tudo no liquidificador, acrescentando ao final uma colher de Open Theism, e assim fazem a sua omelete epistemológica.

Mas esta omelete liberal e neoarminiana tem dado indigestão em muita gente, e penso que é tempo de focar nossa munição em denunciar estes bebês chorões, quase sempre deprimidos em seus artigos, que reclamam de tudo, pregam contra a injustiça social e a disparidade dos povos, mas retiram dos crentes o que eles tem de mais precioso: “A crença em um Deus soberano e criador, o qual tem todas as coisas sob controle, que intervém diretamente na história, fazendo com que todas as coisas cooperem para o bem dos que lhe amam, e dos que por seu divino decreto foram chamados”.

Quem lê, entenda.

quarta-feira, 9 de junho de 2010

A SEMENTE DA GANÂNCIA


Alan Capriles


“...recomendando-nos somente que nos lembrássemos dos pobres, o que também me esforcei por fazer.” (Apóstolo Paulo - Gálatas 2:10 RA)

Apesar de não apreciar a maioria dos programas evangélicos da TV, sou obrigado a assisti-los de vez em quando. Muitas ovelhas que pastoreio assistem a estes programas, razão pela qual preciso estar alerta contra heresias que possam contaminar o rebanho de Deus.

E tenho percebido uma grave heresia sendo ensinada nestes programas. Como se sabe, a maioria deles tem o mesmo formato: Abertura, música, pregação, venda de produtos, pedido de ofertas e oração. Mas, ao contrário do que se poderia esperar, o erro maior não está na pregação, ainda que algumas sejam lamentáveis, mas na forma como pedem ofertas para manter seus programas no ar.

É quase unanimidade os tele-pastores pedirem ofertas trocando a palavra “dinheiro” por “semente”. Alguns dizem: “semeie no meu ministério”, com a promessa de uma grande colheita financeira para quem semear mais. E dizem isto usando a Bíblia como respaldo!

Preciso confessar que eu mesmo, no passado, fui vítima desta heresia. Por não conferir o contexto, cheguei a ensinar a tal “lei da semente”, erro que, pela misericórida de Deus, não demorei a corrigir.

O texto bíblico mais usado (e abusado) para se pedir ofertas como sementes, encontra-se na segunda carta de Paulo aos Coríntios, onde encontramos o seguinte versículo:

“E isto afirmo: aquele que semeia pouco, pouco também ceifará; e o que semeia com fartura com abundância também ceifará.” (2 Coríntios 9:6 RA)

Sim, de fato, o contexto mostra que o apóstolo Paulo está falando de ofertas. E comparando estas ofertas a sementes. Mas, a questão é: por que Paulo usou desta comparação? A resposta é surpreendente:
Porque aquelas ofertas eram destinadas aos pobres.

Ao contrário dos tele-evangelistas, Paulo não estava pedindo ofertas para o seu ministério. A razão do seu pedido de ofertas era a “a favor dos santos” em necessidade (Confira 2 Co 9:1,12). Provavelmente, um apelo para socorrer financeiramente os cristãos pobres da Judéia (Atos 11:29). Sim, porque, ao contrário do que ensina a teologia da prosperidade, os santos também podem ser pobres, materialmente falando (Ap 2:9).

E, a fim de que ninguém duvidasse de suas corretas intenções, o apóstolo cita uma promessa das Escrituras:

“como está escrito: Distribuiu, deu aos pobres, a sua justiça permanece para sempre.” (2 Coríntios 9:9 – citando o Salmo 112:9)

Como se percebe, a promessa é para quem oferta “aos pobres” e Paulo não deixa dúvidas quanto a isto. Basta que leiamos o contexto. Paulo poderia também ter acrescentado outros versículos, tais como:

“Bem-aventurado o que acode ao necessitado; o SENHOR o livra no dia do mal. O SENHOR o protege, preserva-lhe a vida e o faz feliz na terra; não o entrega à discrição dos seus inimigos. O SENHOR o assiste no leito da enfermidade; na doença, tu lhe afofas a cama.” (Salmos 41:1-3 RA)

“Quem se compadece do pobre ao SENHOR empresta, e este lhe paga o seu benefício.” (Provérbios 19:17 RA)

“O que semeia a injustiça segará males; e a vara da sua indignação falhará. O generoso será abençoado, porque dá do seu pão ao pobre.” (Provérbios 22:8-9 RA)

Foi com base em promessas assim, de Deus abençoar quem ajuda “ao pobre”, que Paulo comparou tais ofertas a sementes.

Isto é muito diferente de levantar-se ofertas para se manter programas na televisão, cujo minuto é caríssimo e o benefício duvidoso. E o pior é que a maioria destes programas nem sequer está pregando o verdadeiro evangelho de Cristo! A maioria das pregações da TV é voltada para satisfazer os interesses do homem.

O verdadeiro evangelho causa furor na maioria das pessoas, porque poucos querem se arrepender de seus pecados e depositar sua fé inteiramente em Cristo para salvação. A maioria prefere acreditar que será salva porque foi uma pessoa boa, ignorando a enfática realidade exposta por Jesus de que “ninguém é bom, a não ser um, que é Deus”.

E isto é um dilema. Como manter programas na TV dizendo a verdade para as pessoas? Sendo assim, os tele-evangelistas fazem um tremendo esforço para agradar seus telespectadores, a fim de aumentar a audiência e o número de fiéis “semeadores”.

Mas, esta é a verdade: Quem ajuda a pagar caros programas evangélicos não pode esperar colheita de nada, a não ser de absurdos escândalos, como se tem visto ultimamente. Quero deixar como exemplo o escândalo mais recente:

Enquanto outros canais de televisão mostravam o número de uma conta bancária para ajudar os desabrigados das chuvas, que vitimaram milhares de pessoas no estado do Rio de Janeiro, um famoso pastor mostrava o número de três contas bancárias para que “semeassem” no seu ministério. E, detalhe, sementes de mil reais!

Quem não tivesse mil reais poderia parcelar sua “semente” em várias prestações, a fim de não perder a fabulosa colheita de bênçãos e ainda ganhar um lindo certificado do seleto “CLUBE DE 1 MILHÃO DE ALMAS”.

Ao invés deste pastor aderir à campanha pelas vítimas das chuvas, entre as quais algumas que perderam tudo, ele preferiu pedir dinheiro para bancar suas mega cruzadas. E, ainda que o dinheiro seja gasto nisso, tais cruzadas evangelísticas não atingem nem de longe o alvo a que se propõem.

Respaldo minha afirmativa no depoimento de Billy Graham, maior evangelista do século XX. Após analisar suas inúmeras cruzadas, ele chegou a uma conclusão alarmante. Pelos seus cálculos, dentre todos que assinaram “cartões de decisão” em suas cruzadas, somente três por cento procuraram uma igreja e chegaram a passar pelas águas do batismo. Apenas três por cento!

Amado leitor, se você almeja receber algum benefício do Senhor, uma verdadeira colheita de bênçãos, semeie da forma correta: não se esquecendo do necessitado, se compadecendo do pobre, repartindo com ele o seu pão. (Sl 41:1; Pv 19:17; 22:8)

Esta é a forma de evangelismo mais eficaz que existe, porque esta é a verdadeira semente de Deus: O AMOR.

“Meus filhinhos, não amemos de palavra, nem de língua, mas por obra e em verdade.” (1 João 3:18 RC)

Quatro Maldicões na Igreja de Hoje


Alan Brizotti

"Agora, ó sacerdotes, este mandamento é para vós. Se não ouvirdes, e se não propuserdes no vosso coração dar honra ao meu nome, diz o Senhor dos exércitos, enviarei a maldição contra vós, e amaldiçoarei as vossas bênçãos; e já as tenho amaldiçoado, porque não aplicais a isso o vosso coração" (Malaquias 2. 1, 2).

Na igreja da atualidade parece existir somente maldição financeira. É como se toda a atenção do inferno fosse canalizada para o nosso bolso. Outras áreas são simplesmente preteridas. Na teologia monetária dos agentes bancários de deus, maldição é sinônimo de pobreza. O livro de Malaquias, por exemplo, só é lembrado em questões de dízimos e ofertas, e sempre para enfatizar o "fato" de que se você doar até o último centavo de sua violentada carteira, deus (é minúsculo mesmo!) vai encher sua casa de grana!

Esses investidores da bolsa de valores da fé esquecem do texto acima! Principalmente da promessa que poucos percebem: "... amaldiçoarei as vossas bênçãos". Pense por um momento: se Deus amaldiçoar as bênçãos, então tudo é maldito! Isso é muito sério! A bênção de um falso profeta é uma maldição completa! Deus não tem compromisso com todo esse charlatanismo religioso dos vendedores de promessas.

Resolvi pensar um pouco mais sobre quatro maldições que assolam a igreja da atualidade, e que Deus nos guarde desse mal (João 17. 15):

A maldição da politicagem: isso é visto como bênção, naquelas frases do tipo: "temos que ter um irmão para nos representar"; "fulano é um grande homem que Deus levantou na política", e por aí vai... Uma pergunta: você comeria uma maçã que estivesse dentro de um saco de lixo, mesmo sabendo que ela é limpa? O cristão, na política, é uma maçã no meio do lixão. É uma pérola no meio dos porcos. Acredito que um ou outro homem ou mulher de Deus possa ser levantado como uma espécie de estadista, gente séria que ame a Deus e trabalhe pelo reino, contudo, são "agulhas no palheiro", e não servem como desculpa para que qualquer um, de quatro em quatro anos, venha encher nossos púlpitos de hipocrisia, mentiras e ilusões.

A maldição do imediatismo: gente que confunde Deus com uma máquina qualquer respondendo a comandos e senhas divinas. Gente que não consegue mais andar no abençoado caminho da paciência, principalmente porque não passa por lutas e tribulações, que segundo a Bíblia, produzem-na (Rm. 5. 3). O imediatismo é o grande vício da igreja de hoje. Essa espiritualidade drogada não suporta um dia normal, um culto sem carnavalizações folclóricas e pirotécnicas, muito menos a bendita espera. São filhos mimados de uma divindade exibicionista. Quando aprendemos a esperar no Senhor, trabalhamos a glória da dependência e abrimos mão de sermos controlados pela sociedade da pressa.

A maldição do analfabetismo bíblico: pastores e pregadores que adulteram textos bíblicos ao sabor de suas neuroses. Gente que faz aplicações levianas dos textos bíblicos. O efeito colateral dessa doença hermenêutica é o surgimento de tanta teologia destruidora: teologia da confissão positiva, da prosperidade, do profetismo visionário das "mães dinás de deus", dos milagreiros da religiosidade de mídia e massa. Essas Meduzas teológicas são heranças malditas do nanismo bíblico. Para curar essa anomalia só há um jeito: dedicação à Palavra, sem reservas! E isso, sim, é possível!

A maldição da hereditariedade obrigatória dos cargos: que existem filhos de pastores com chamado divino não posso negar, contudo o que vejo é um percentual alarmante de aproveitadores e malandros, que usam o ministério como saída para sua falta de talento na vida. Gente que, se não fosse o pai ser alguém, não seria absolutamente nada! Gente que faz do púlpito sua empresa, da igreja seu curral, e da fé sua "galinha dos ovos de ouro". Esse nepotismo eclesiástico atropela a verdade do evangelho. Quantos homens de Deus são deixados de lado porque o "filho do dono" herdou o trono!

Que Deus nos ajude a permanecer igreja, lutando contra essas demonizações travestidas de bênçãos que invadem o arraial dos santos. Deus dará um basta em tudo isso! A Obra é Dele! Ele amaldiçoará as bênçãos dos falsos cristos que se amontoam como praga infestando a "lavoura de Deus" (I Co. 3. 9).

sábado, 5 de junho de 2010

10 verdades que Pregamos sobre 10 mentiras que Praticamos


Certo pastor estava buscando levar a igreja à prática da comunhão e da devoção experimentadas pela igreja primitiva (conforme descrita em Atos dos Apóstolos). Logo recebeu um comunicado de seus superiores: “Estamos preocupados com a forma como você vem conduzindo seu trabalho ministerial. Você foi designado para tomar conta dessa igreja e a fez retroceder, pelo menos, uns 40 anos! O quê está acontecendo?”. O pastor respondeu: “40 anos? Pois então lamento muitíssimo! Minha intenção era fazê-la retroceder uns 2.000!”.

Atualmente temos acompanhado um retrocesso da vivência e prática cristãs. Mas, infelizmente, não é um retrocesso como o da introdução acima. Algumas das verdades cristãs têm sido negadas na prática. Como diz Caio Fábio, muitos de nós somos “crentes teóricos, entretanto, ateus práticos”.

Segue-se uma pequena lista dos top 10 das verdades que pregamos (na teoria) acerca das mentiras que vivemos (na prática):

I – “SÓ JESUS SALVA” é o que dizemos crer. Mas o que ouvimos dizer é que só é salvo, salvo mesmo, quem é freqüente à igreja, quem dá o dízimo direitinho, quem toma a santa ceia, quem ganha almas para Jesus, quem fala língua estranha, quem tem unção, quem tem poder, quem é batizado, quem se livrou de todo vício, quem está com a vida no altar (seja lá o que isso signifique), quem fez o Encontro, etc e etc. Resumindo: em nosso conceito de salvação, só é salvo aquele que não me escandaliza.

II – “DIANTE DE DEUS, TODOS OS PECADOS SÃO IGUAIS” é o que dizemos crer. Mas, diante da igreja, o único pecado é fazer sexo fora do casamento. Quando um irmão é pego em adultério, é comum ouvirmos o comentário: “O irmão fulano caiu…”. Ou seja, adultério é visto como uma “queda”. Mas a fofoca que leva a notícia do adultério de ouvido a ouvido é permitida (embora, na Bíblia haja mais referências ao mexeriqueiro do que ao adúltero). Estar com o nome ‘sujo’ no SPC é permitido, embora a Bíblia condene o endividamento. Ser glutão é permitido, a ‘panelinha’ é permitida, sonegar imposto de renda é permitido (embora seja mentira e roubo), comprar produto pirata é permitido (embora seja crime) construir igreja em terreno público é permitido (embora seja invasão).

III – “AUTOFLAGELAÇÃO É SACRIFÍCIO DE TOLO”, é o que dizemos crer. Condenamos o sujeito que faz procissão de joelhos, que sobe escadarias para pagar promessas. Ainda assim praticamos um masoquismo espiritual que se expõe em frases do tipo: “Chora que Deus responde”; “a hora em que seu estômago está doendo mais é a hora em que Deus está recebendo seu jejum”; “quando for orar de madrugada, tem que sair da cama quentinha e ir para o chão gelado”; “tem que pagar o preço”.

IV – “ESPÍRITO DE ADIVINHAÇÃO É DIABÓLICO” é o que dizemos crer, mas vivemos praticando isso nas igrejas, dentro dos templos e durante os cultos!
- Olha só a cara do pastor. Deve ter brigado com a esposa.
- A irmã Fulana não tomou a ceia. Deve estar em pecado.
- Olha o irmão no boteco. Deve estar bebendo…
- Olha só o jeito que a irmã ora. É só para se mostrar…
- Olha a irmã lá pegando carona no carro do irmão. Hum, aí tem…

V – “DEUS USA QUEM ELE QUER” é o que dizemos. Mas também dizemos: Deus não pode usar quem está em pecado; Deus não usa ‘vaso sujo’; “Como é que Deus vai usar uma pessoa cheia de maquiagem, parecendo uma prostituta?”.

VI – “DEUS ABOMINA A IDOLATRIA” dizemos. Mas esquecemos que idolatria é tudo o que se torna o objeto principal de nossa preocupação, lealdade, serviço ou prazer. Como renda, bens, futebol, sexo ou qualquer outra coisa. A questão é: quem ou o quê regula o meu comportamento? Deus ou um substituto? Há até muitas esposas, por exemplo, que oram pela conversão do marido ao ponto disso tornar-se numa obsessão idolátrica: “Tenho que servir bem a Deus, para ele converter meu marido”; “Não posso deixar de ir a igreja senão Deus não salva meu marido”; “Preciso orar pelo meu marido, jejuar pelo meu marido, fazer campanhas pelo meu marido, deixar de pecar pelo meu marido”. Ou seja, a conversão do marido tornou-se o objetivo final e Deus apenas o meio para alcançar esse objetivo. E isso também é idolatria.

VII – A BÍBLIA É A ÚNICA REGRA DE FÉ E PRÁTICA CRISTÃS
…Eu sei que a Bíblia diz, mas o Estatuto da Igreja rege…
… Eu sei que a Bíblia diz, mas nossa denominação não entende assim
… Eu sei que a Bíblia diz, mas a profeta revelou que é assim que tem que ser
… Eu sei que a Bíblia diz, mas o homem de Deus teve um sonho…
…Eu sei que a Bíblia diz, mas isso é coisa do passado…

VIII – DEUS ME DEU ESTA BENÇÃO!
…mas eu paguei o preço.
…mas eu fiz por onde merecê-la.
…mas não posso dividir com você porque posso estar interferindo na vontade de Deus. Vai que Ele não quer que você tenha… Se você quiser, pague o preço como eu paguei.

IX – NÃO SE DEVE JULGAR PELAS APARÊNCIAS. AS APARÊNCIAS ENGANAM – mas frequentemente nos deixamos levar por elas para emitirmos nossos juízos acerca dos outros. Julgamos pela roupa, pelo corte de cabelo, pelo tamanho da saia, pelo tipo de maquiagem (ou a falta dela), pelo jeito de andar, de falar, pelo aperto de mão, pela procedência. Frequentemente, repito: frequentemente falamos ou ouvimos alguém falar: “Nossa! Como você é diferente do que eu imaginava. Minha primeira impressão era de que você era outro tipo de pessoa”.

X – A SANTIFICAÇÃO É UM PROCESSO DE DENTRO PARA FORA (é o que dizemos) – na prática não basta ser santo, tem que parecer santo. Se a tal ‘santificação’ não se manifestar logo em um comportamento pré-estabelecido, num jeito de falar, andar, vestir e de se comportar é porque o sujeito não se ‘converteu de verdade’.


Fonte: Gosto de ler

A Teologia da Lata de Nescau


Digão

Certa vez, li um livro interessante com um título curioso: A teologia do cachorro e do gato. Nele, os autores fazem comparação entre as atitudes desses dois animais em relação aos donos (o gato, manhoso, queria se satisfazer, enquanto que o cão, leal, queria agradar) e nosso relacionamento com o nosso Dono.

Achei a analogia dos autores muito interessante, e fiquei pensando se é possível criar “teologias” a partir de coisas cotidianas, como, no caso, dos animais domésticos. Até que, um dia, eu tive um estalo, a partir da brincadeira de minhas filhas pequenas.

Crianças (e alguns adultos) gostam muito de fazer barulho. A coisa que elas mais apreciam é fazer uma batucadinha. Minhas meninas gostam de pegar latas vazias de alumínio, dessas de Nescau, e fazer uma bateria improvisada. Vendo aquela lata de Nescau agredindo meus ouvidos, comecei a formular a teologia da lata de Nescau.

Todos sabem como é a lata de Nescau. O alumínio faz um barulho danado se batermos nele. Mas a lata de Nescau só faz barulho se estiver vazia. Experimente fazer batucada em uma lata de Nescau cheia, de preferência lacrada, que você acabou de comprar no supermercado. O som que sairá é mínimo, comparado com uma lata vazia.

Na minha caminhada com Jesus, tenho visto muita “lata de Nescau vazia” nos templos. Pode reparar. É gente oca de vida, sem conteúdo, sem relacionamento sadio e santo com Deus, mas que, no entanto, faz um barulho danado. O barulho que fazem, na verdade, não é para atrair a atenção para o Senhor, mas sim para si mesmos. Quanto mais vazios, mais barulhentos.

Felizmente há também muita “lata de Nescau cheia”. Gente que não atrai a atenção para si, e sim para o seu conteúdo – a vida de Deus neles. Gente que não se importa com holofotes, gente com um relacionamento com Deus baseado na Graça. O conteúdo de suas vidas ocupa todo o espaço, não deixando que chamem a atenção para si, e nem precisam. Naturalmente eles exalam aquilo que Paulo classificou de bom perfume de Cristo (2 Co 2.15).

Quando vamos a um supermercado, não nos interessamos pela embalagem. Queremos saber se o conteúdo do produto é bom, se satisfaz as nossas necessidades. Tanto é que, quando o produto acaba, jogamos a embalagem fora. Uma lata de Nescau vazia só terá utilidade se for reutilizada para outros fins (guardar quinquilharias, como pregos enferrujados, por exemplo). Caso contrário, o seu destino é a lata de lixo. O que queremos, portanto, é o conteúdo, e não o invólucro.

Não é à toa que a Bíblia nos exorta tanto a estarmos cheios do Espírito (Ef 5.18), tendo em nossas mentes somente aquilo que presta (Fp 4.8). Na medida em que nosso conteúdo for o de Deus, despertaremos a atenção para Deus, e poderemos realizar o nosso papel de sal da terra e luz do mundo.

Porém, se estivermos vazios, seremos como o sal insípido, que só serve para calçamento (Mt 5.13), ou seja, ser pisado (outro termo poderia ser “humilhado”) pelos homens. E, no final, ser jogado no lixo da história.

Fica, então, a admoestação de Deus: viva cheio dEle. Busque-O sempre (Is 55.6). Molde seus padrões em conformidade aos dEle, e não tente fazer o contrário (Rm 12.1, 2). Enfim: seja uma lata de Nescau cheia, plena, e não uma lata vazia, barulhenta e sem significado.