domingo, 19 de junho de 2011

Deputados evangélicos do RJ aprovam Emenda Constitucional em favor da Agenda Gay


Confirmado: deputados evangélicos do RJ sabiam que a PEC 23/2007 tratava-se de mudança da Constituição Estadual a favor da Agenda Gay .
Agenda Gay versus Parlamentares Cristãos: discurso diferente da prática
Depois de ter vindo à tona que deputados estaduais da ‘bancada evangélica’ do Rio votaram a favor do Projeto de Emenda Constitucional 23/2007 (conhecido como PL 122 do Rio), o qual muda a Constituição Estadual, em relação à causa gay, conforme publicou a jornalista Berenice Seara, em sua coluna no Jornal Extra, em 25 de maio de 2011, alguns parlamantares evangélicos tentam agora passar outra imagem aos eleitores, na tentativa de salvarem a própria pele.

Alguns estão tentando dizer que não sabiam do teor da matéria, mas a Ordem do Dia os denuncia. (7/jun) a jornalista Berenice Seara, voltou a publicar sobre o assunto, em sua coluna, onde confirma que deputados evangélicos votaram a favor da mudança da Constituição Estadual em favor da Agenda Gay largamente defendida por Sérgio Cabral no estado do Rio.
A matéria da jornalista pode ser confirmada na Ordem do Dia, onde mostra que um deputado e pastor da Assembléia de Deus (e líder do Partido da República na ALERJ) pede aos deputados evangélicos para votarem a favor do PEC, por ser pertinente (oportuno).
Um fato curioso é que o nome do deputado evangélico (líder do PR) que pediu para a ‘bancada evangélica’ de seu partido votar a favor do PEC 23/2007 (PL 122 do Rio), não consta no Diário Oficial do Estado do Rio de Janeiro, de 26 de maio de 2011, o qual publicou a relação dos que votaram contra e a favor do Projeto.
O que deve ter ocorrido para que o deputado pedisse para votar a favor do PEC e não ter comparecido à votação?
Para os que lhe questionarem sobre a votação do PEC, ele poderá alegar que seu nome não consta no DO na relação dos que votaram a favor nem contra. Poderá até inventar uma estorinha qualquer para justificar sua ausência, ficando, portanto, bem com os evangélicos ingênuos. Para Cabral e seus aliados, ele fica bem na foto, pois mandou publicamente a ‘bancada evangélica’ votar a favor do PEC, conforme consta na Ordem do Dia.
Abaixo estão osparlamentares da chamada bancada evangélica e dois católicos praticantes da Alerj.
Votaram a favor ou se ‘lixaram’ e faltaram a importante votação
• Alessandro Calazans ( da Igreja do Nazareno )
• Marcos Soares ( da Igreja Internacional da Graça e irmão do missionário RR Soares )
• Alexandre Correa ( da Igreja Universal do Reino de Deus )
• Rosângela Gomes ( da Igreja Universal do Reino de Deus )
• Clarissa Garotinho ( da Igreja Presbiteriana ‘?’ )
• Edino Fonseca ( da Igreja Assembléia de Deus )
• Fábio Silva ( sem informações )
• Graça Pereira ( da Igreja Batista )
• Samuel Malafaia ( da Igreja Assembléia de Deus e irmão do pr. Silas Malafaia )
• Waguinho ( Igreja de Nova Vida )
• Bebeto ( ex-jogador, da Igreja Batista )
• Márcio Pacheco ( da Igreja Católica )
• Pedro Augusto ( da Igreja Católica )
Votaram contra
• Flávio Bolsonaro ( da Igreja Batista )
• Edson Albertassi ( da Igreja Asembléia de Deus )

É bom evidenciar que até o presente momento nenhum dos parlamentares acima repudiou publicamente a liberação de R$ 4 milhões pelo governador para a causa gay, sendo que escolas, hospitais et cetera estão em condições precárias.
São estes os deputados que em ano eleitoral vão pelas igrejas, portam-se como homens de Deus, defensores dos bons costumes, pregam, fazem impostação de voz para impressionar a platéria, distribuem panfletos fazendo terrorismo psicológico et cetera.
Não somente elessão culpados por tais atitudes. A culpa cai sobre todos:
-a liderança evangélica das diversas denominações que conhecem muito bem essa gente e mesmo assim leva em seus púlpitos e fazem campanhas para os mesmos.
-a multidão de eleitores cristãos que dizem que política é coisa do Diabo ou que pouco se interessam pelo assunto, servindo de presa fácil para os parlamentares.

Uma pergunta queeles precisam responder:
Por que não vieram a público DENUNICAR que tal PEC 23/2007 entraria em votação, ainda mais que o Brasil inteiro, naquela semana (25/mai) estava em ampla campanha colhendo assinatura contra o PL 122 (federal) e mobilizando-se para a manifestação em Brasília, dia 01 de junho?
Na verdade:
-eles usam e abusam dos eleitores cristãos, fazendo-os de otários, de massa de manobra e a igreja de curral eleitoral.
-fazem acordo com gregos e troianos e ignoram os princípios bíblicos e a moralidade cristã que tanto ‘defendem’ em campanha eleitoral.
Evangélico tem que parar de ser manipulado politicamente. Tem que pesquisar, procurar informar-se sobre o candidato que o pastor está apresentando. Tem que fazer uma devassa na vida do candidato. O povo cristão precisa parar de ser trouxa politicamente. Fonte. www.holofote.net

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.