quarta-feira, 30 de junho de 2010

Não Precisamos de Um Papa Evangélico



Por Renato Vargens

A palavra Papa vem do grego pappas, do latim papa que significa pai. Ele é considerado pelos católicos romanos como o representante (Vigário) de Cristo na Terra, sucessor de Pedro no governo da Igreja. Para os católicos o Papa possui autoridade sobre todos os fiéis e sobre toda a hierarquia eclesiástica, incluindo o Concilio Ecumênico. Segundo a Igreja romana ele é infalível quando define alguma verdade “ex-cathedra” (do trono), em assuntos de fé e de moral.

Caro leitor, uma das principais marcas do protestantismo foi refutar o Papa e suas heresias, dentre estas de que o líder católico é o vigário de Cristo e que possui autoridade sobre todos os fiéis. No entanto, diferentemente do pensamento protestante, um grupo neopentecostal ligado ao movimento celular, reconheceu publicamente o "apóstolo" Renê Terra Nova como Patriarca apóstolico, reconduzindo parte dos evangélicos a velha estrutura papal.

Isto posto, afirmo veementemente que a igreja de Cristo não precisa de um papa. Ela não precisa de ninguém que se interponha entre os crentes e Deus, ela não necessita de um sacerdote especial, não precisa deste tipo de cobertura funesta, onde "apóstolos, papas e patriarcas" impõem sobre os fiéis, suas vontades, caprichos e decisões. Ela não necessita de um clericalismo manipulador, nem tampouco do surgimento de uma nova hierarquia apostólica que em detrimento da vontade "papal", anulam as Escrituras.

Prezado amigo, as Escrituras nos bastam, e elas em nenhum momento referendam o estabelecimento de papas e patriarcas. A Bíblia nos ensina que todos os crentes em Jesus são sacerdotes e que não existe base ou fundamento para a existência de patriarcas especiais na comunidade dos santos.

Diante do exposto, eu fico com a Palavra de Deus afirmando sem a menor sombra de dúvidas de que não precisamos de um papa evangélico.

Pense nisso!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.