sábado, 22 de setembro de 2012

O EVANGELICALISMO BRASILEIRO É IDÓLATRA, PERNICIOSO E DOENTE.

Gostaria de argumentar, embora corra o risco de simplificar em demasia e de ser acusado de arrogante, que a fé evangélica não é outra senão a fé cristã histórica. O cristão evangélico não é aquele que diverge, mas que busca ser leal em sua procura pela graça de Deus, a fim de ser fiel à revelação que Deus fez de si mesmo em Cristo e nas Escrituras. A fé evangélica não é uma visão peculiar ou esotérica da fé cristã – ela é a fé cristã. Não é uma inovação recente. A fé evangélica é o cristianismo original, bíblico e apostólico. 

É algo natural em nossa época ao falarmos de idolatria, vermos pessoas se vangloriando de abandonar o catolicismo para se tornar um evangélico. Não há imagens, crucifixos, velas etc. Não frequento mais missa, “conheço muitos louvores tremendos” e tenho um ministério poderoso de cura para as nações; idolatria, nunca mais, diz o neófito com dez anos de “fé”! 

Em meio a tantos encontros de três dias, tantas unções e “palavras proféticas”, o indivíduo se enche de uma certeza inabalável que conhece o Senhor mais do que aquele cristão “frio” que apenas fala da bíblia, intransigente e criterioso. Nesse homem não se vê pulos, não há risos com uma pregação cheia de piadas, ele não entra na onda do cair no espírito (não acha razões bíblicas suficientemente fortes para isso), as músicas evangélicas populares de Top Ten, são, para ele, aguadas de conteúdo bíblico e doutrina fiel. É difícil encontrar alguns desses andando por aí. Eles não se encontram nas marchas para Jesus, emporcalhando a cidade e tornando o trânsito um inferno, muito menos, nós o veremos dando ibope as redes de televisão aberta, pois ninguém gosta de sua mensagem, ele é intragável! 

Por que isso acontece? Simples, a cultura de crentes formados em solo brasileiro é idolátrica até a alma! Sim, o evangelicalismo brasileiro é idólatra, pernicioso e doente. 

Até pouco tempo, o cristão era visto como alguém que não era aplaudido pela mídia, recebia preconceitos por cada pronunciamento seu ser acompanhado por dois ou três versículos, era um corpo estranho na sociedade, o inferno e a ira era a pregação impopular que ameaçava ao ímpio endurecido. Jesus te ama, era bem o que os pecadores queriam ouvir, mas esses homens não os ajudavam a se sentirem melhor com esses clichês. As músicas falavam sobre a espada da lei, logo, não podiam ganhar o Grammy Latino. Encharcadas de bíblia, as almas cantavam grandioso és tu, pois, meditavam nessa verdade de Genesis a Apocalipse. Nesse tempo os pastores não trocavam de carro todo ano à custa dos fiéis, mas a bíblia era ensinada completamente, ele lutava consigo mesmo durante dias estudando e orando ao Senhor por apenas um sermão. Doutrinas eram expostas, e, o coração da ovelha caída era enternecido pelas palavras de vida eterna, pela visitação pastoral e pela oração sobrecarregada de seus irmãos. A justificação pela fé e a salvação pela graça eram temas conhecidos e decorados pelas crianças, assim podiam cantar capítulos inteiros da bíblia até a sua mocidade. 

A prática dos cristãos modernos e populares é exatamente oposta, ideológica e moralmente, dessa antiga geração de cristãos fiéis. Negligenciam descaradamente a palavra de Deus em nome de um “tanto faz”, deixa assim mesmo ou “quem somos nós para julgarmos”? Uma geração de crentes com anos de igreja sem ter lido a bíblia toda. O culto familiar foi abandonado, e, as crianças se tornaram em depósitos de ensinamentos e cânticos mais fracos do que a pregação-teatro-jogral-ministração-unções que é feita no templo no templo domingo após domingo, campanha após campanha. O teatro usurpou a pregação e fez que a mensagem fosse mais “relevante” aos bodes, ainda que se abrisse um pouco a bíblia para falar algo, isso seria apenas para desencargo de consciência, mas não alimentava o suficiente. Embora se desconfiem que existam práticas estranhas e místicas, a ditadura do líder fundador, faz a mente preguiçosa do crente alienado, relaxada e apta a não usar o discernimento bíblico. 

A verdade é que tudo está estampado diante do mais simples crente, mas, as escamas da alienação, não permitem que a luz brilhe. Algum cantor (a) famoso se “converte”, rapidamente grava mais um cd e dá uma guinada em sua vida pública que antes estava esquecida, e, com seu testemunho, arrecada milhares de reais gastos em hotéis e cruzeiros de luxo, fazendo assim a “obra” de Deus. 

Se isso não é idolatria e paganismo camuflado de piedade, então, o evangelho puro e simples de Cristo, pregado e vivido pela igreja primitiva, é falso. Mas o só pensar nisso é blasfêmia! Viver segundo o que o “apóstolo” diz e não julgá-lo pela bíblia, andar amarrando tudo que é demônio inventado por aí, sem parar para examinar nas escrituras, profundamente, cada uma dessas coisas, é desprezar a Palavra da maneira mais vil e religiosa possível, é odiar a Deus com as mãos levantadas, pensado que está fazendo o bem. Fazer o que se pensa que é certo, utilizando a si mesmo como o padrão, e, não a bíblia, através do estudo diligente desta, é profanação da pior espécie. 

Que Deus tenha misericórdia dessa geração.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.